quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Últimas Novidades - Editorial Presença

O Rapto de Edgardo Mortara


Subtítulo O caso do menino judeu que abalou o Vaticano
Número de páginas 448
PVP 19,90 €

Sinopse
O extraordinário caso da detenção de um rapaz judeu, de seis anos, às ordens do Vaticano, em 1858, que contribuiu para o colapso do poder temporal do Papa. 

Bolonha: crepúsculo, Junho de 1858. Batem à porta da casa de Momolo Mortara, um comerciante judeu. Entram dois oficiais, a mando da Inquisição, para levarem Edgardo, de seis anos de idade, filho de Momolo. Ao ver a criança a ser arrancada dos braços do pai, a mãe desfalece. 

Motivo do rapto: Edgardo tinha sido batizado em segredo, por uma criada da família. Segundo a lei dos estados pontifícios, o rapaz passara assim a ser um católico, o que tornava lícito que fosse retirado à família e levado para um mosteiro especial onde a sua conversão seria concluída. 

É com esta cena chocante que o historiador David I. Kertzer, galardoado com diversas distinções, inicia o seu relato da verdadeira história de como o rapto desta criança esteve na origem do colapso do Vaticano enquanto poder secular. Kertzer retrata a angústia de uma família de modestos comerciantes, o ritmo da vida quotidiana no gueto judeu de Bolonha, e explora também, através da evocação das campanhas revolucionárias de Mazzini e Garibaldi, e de figuras como Napoleão III, a emergência da Itália como um estado moderno e nacional. 

Comovente e esclarecedor, O Rapto de Edgardo Mortara lê-se como um thriller histórico e dá-nos a conhecer, de forma rigorosa, o modo como esta tragédia humana mudou o curso da História.

Caro Evan Hansen

Subtítulo O romance
Número de páginas 384
PVP 16,90 €

Sinopse
Quando uma carta que ninguém deveria ter visto, aproxima Evan Hansen de uma família em sofrimento pela perda de um filho, ele depara-se com a oportunidade de uma vida: o desfrutar do sentimento de pertença. Ele tem apenas de fingir que Connor Murphy, um rapaz manifestamente perturbado que frequentava a mesma escola, era o seu grande amigo secreto.

De um momento para o outro, Evan deixa de ser invisível - até mesmo para a rapariga dos seus sonhos. E os pais de Connor acolhem-no como se Evan lhes pertencesse, desesperados para, através dele, saberem mais sobre a existência enigmática do seu recém-falecido filho. À medida que Evan se embrenha na espiral de revolta, arrependimento e confusão da família Murphy, ele tem consciência de que o que está a fazer é errado. Mas se está a ajudá-los, o que terá isso de errado? 

Agora que deixou de ser atormentado pela ansiedade causada pelo desapontamento nos olhos da sua mãe, este novo Evan encontrou um objetivo. E também confiança. Cada dia da sua vida é surpreendente. Até que surge o risco de tudo vir a ser desvendado e Evan confronta-se com um obstáculo: ele próprio.

Uma pequena mentira leva a verdades complexas nesta emocionante narrativa sobre sofrimento, autenticidade, e capacidade de luta para usufruir do sentimento de pertença numa idade de ligações efémeras e isolamento profundo.

Para mais informações sobre os livros visitem o site da Editorial Presença aqui.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Quase a chegar às livrarias - Nove Perfeitos Desconhecidos

Nove Perfeitos Desconhecidos

Disponível a 27 de Agosto 

Sinopse
Se alguém lhe garantisse uma transformação total em apenas 10 dias, você aceitava?
Nove pessoas aceitam. Os seus motivos são diferentes mas todas embarcam num retiro de luxo. Esperam massagens, meditação e dieta detox. Estão longe de imaginar o desafio que têm pela frente.
Frances Welty é uma escritora bestseller em plena crise de inspiração (entre outras). Quer recuperar a alegria de viver.
Ben e Jessica ganharam 22 milhões de dólares na lotaria. Já não lutam para esticar o dinheiro até ao fim do mês mas passaram a lutar um com o outro. Querem salvar a sua relação.
Napoleon, Heather e Zoe sofreram uma tragédia familiar. Querem perdoar-se a si mesmos e reencontrar a paz (possível). 
Tony é um ex-jogador de futebol que perdeu aquilo que mais amava. 
Carmel é uma mãe (exausta) de quatro filhos que foi trocada por uma mulher mais nova. 
Lars é um advogado gay que se debate com um dilema impossível…
Será que estas nove pessoas vão encontrar a solução para os seus problemas? 
Ou será melhor fugirem enquanto podem?
É que Masha, a diretora do retiro, tem para os seus clientes um plano que nenhum deles conhece…

Pode comprar o livro aqui

terça-feira, 13 de agosto de 2019

5 dicas simples para estimular a leitura

5 dicas simples para estimular a leitura


Hoje irei partilhar convosco algumas dicas de como ler mais. Este ano estou a ler mais do que em anos anteriores e acho que é graças a estes factores que vos vou falar. 

1 - Fixar uma meta de leitura diária
Estipulem um número de páginas diárias de leitura e tentem cumprir essa meta. Eu afixei as 100 páginas diárias e na maioria das vezes consigo ler o que estipulei. Desta forma temos um incentivo extra para ler e lemos mais. Comigo resulta. Experimentem!

2 - Escolher uma hora de leitura
Durante o dia dediquem algum tempo exclusivo à leitura. Vejam que horas do vosso dia são mais indicadas para estar calmamente a ler. Eu tento tirar sempre uma ou duas horas durante a tarde, e leio sempre todos os dias antes de ir dormir. Nessas horas não há distracções, só concentração absoluta na leitura. 

3 - Utilizar o Goodreads
O Goodreads é uma ferramenta fantástica. Além de estabelecermos no início do ano uma meta de leitura, possibilita também o acompanhamento diário nossas leituras. Gosto sempre de ir lendo e acompanhando a percentagem de leitura feita. 

4 - Dedicar menos tempo às redes sociais
É sabido que passamos muito tempo nas redes sociais. Para ler mais podemos cortar no tempo que passamos online e substituir esse tempo pela leitura. Vão ver que 10, 15, 20 ou 30 minutos fazem toda a diferença. 

5 - Participar em desafios de leitura
Este ano pela primeira vez estou a fazer um desafio de leitura. O desafio de leitura aqui do Manta de Histórias. Estou a ser posta à prova. É uma forma muito boa de ir lendo os livros que já estão há muito tempo na estante à espera de vez. Próximo ano há mais. Fiquem atentos! 

Partilhem comigo as vossas dicas de leitura. Digam-me se são iguais às minhas ou diferentes. Contem-me que estratégias utilizam para ler mais. 
Boas leituras!  

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

[A minha Opinião] 1793

a minha opinião 1793



O que dizer deste livro?

Foi um valente desafio para mim. Tirou-me da minha zona de conforto. Deu-me luta. Deu-me indisposição. Mexeu-me com as emoções. Pensei algumas vezes que não o ia conseguir ler. Mas insisti, continuei e terminei muito satisfeita. 

Ser facilmente impressionável, sensível, é uma vantagem mas também desvantagem. Vantagem porque facilita a empatia pelos personagens, desvantagem, porque em passagens mais chocantes, cruas, descritivas, mórbidas, deixa-me em apuros. Interiorizo demasiado o que leio. Este livro foi uma luta tremenda em algumas passagens. 

1793, apesar de sombrio, é uma lufada de ar fresco. Tenho lido muitos thrillers nos últimos tempos e este, de facto, destaca-se dos demais. É considerado um thriller histórico e é a estreia absoluta de Niklas och Dag, neste mundo dos livros. E que estreia esta! 

A autor oferece uma história passada em Estocolmo, em finais do século XVIII, uma cidade sombria, com grandes desigualdades sociais, onde impera o poder da igreja, onde é aplicada a pena de morte e o salve-se quem puder pelo povo de Estocolmo. O cenário é perfeito para o crime hediondo que aqui terá lugar.   

Quanto à narração da história, cabe a várias personagens fazê-lo, construindo uma teia que liga na perfeição todos os seus pontos. Mickel Cardell, guarda, Cecil Winge, agente da policia, Kristofer Blix, um jovem aspirante a médico e Anna Stina, uma jovem sofredora, são as personagens centrais da história, todas elas ligadas a uma teia perfeita. 

A história centra-se na investigação de um crime mórbido e chocante. Durante os inúmeros capítulos vou juntando mentalmente as peças de um puzzle, pensado na perfeição por Niklas och Dag. Não há dúvida nenhuma que as personagens foram bem construídas e que o ambiente sombrio e negro de Estocolmo serviu na perfeição o crime. É notória a investigação histórica feita pelo autor, para melhor enquadrar e valorizar a história. Quanto à escrita é fluída e cuidada, rica em diálogos e pensamentos. 

O que não gostei do livro? A letra pequena, que exige mais esforço na leitura. Os nomes suecos, longos e impronunciáveis. O facto de a mesma personagem ser referida ao longo do livro por nomes diferentes. No inicio da leitura é preciso estar atento a esses nomes para ligá-los correctamente às personagens. 

No geral, é uma estreia fantástica do autor. Uma história arrepiante, sombria e cruel. Aos leitores, que como eu, são facilmente impressionáveis, irá requerer coragem para ler certas passagens do livro. No final, irá valer a pena ultrapassar esse obstáculo e ler esta história. 

Ficarei atenta ao autor e irei querer ler o próximo livro. 

Boas leituras! 

🌟🌟🌟🌟

terça-feira, 6 de agosto de 2019

[A minha Opinião] As flores perdidas de Alice Hart

Opinião As flores perdidas de Alice Hart

O livro "As flores perdidas de Alice Hart" foi publicado pela Porto Editora, em Outubro de 2018. Acabei por lê-lo em Julho de 2019, para o desafio de leitura do Manta de Histórias e em leitura conjunta com várias seguidoras do blogue. A leitura e a experiência valeram a pena.

O que me atraiu imediatamente para este livro foi a sua capa maravilhosa. Aquele fundo preto e todas aquelas flores coloridas em destaque, é qualquer coisa de belo. Mas não se fica por aqui a beleza do livro. O seu interior também está povoado por imensas flores, a preto, a cada início de capítulo. Com todo este cuidado de apresentação e paginação já ganha imensos pontos. 

Como o título e a capa o indicam, muito desta narrativa anda à volta de flores e seus significados. Flores essas que são usadas para contar uma história, a história de vida de Alice Hart. 

Nos primeiros capítulos conheci a pequena Alice, de nove anos e a sua família. Cedo descobri que Alice é uma criança sonhadora, sensível, que gosta imenso de histórias. Como leitora, senti logo empatia por esta pequena leitora. Essa empatia para com a personagem fez com que, em vários momentos, sentisse a necessidade de a proteger do mal. 

Sem vos querer desvendar muito da história, o que posso dizer é que durante a leitura acompanhamos o crescimento de Alice e descobrimos um pouco mais do seu passado familiar, que está envolto em mistério e tragédia. Há como que uma fatalidade associada às mulheres da sua família, que parece repetir-se de geração em geração. 

Os cenários descritos pela autora, são sempre ricos em cores e flores. Há alturas em que parece que estou na quinta de Thurnfield a sentir o perfume das flores. Além deste pormenor, a autora associa o significado das flores a cada capítulo e avançar da história. Flores e narrativa em perfeita harmonia. A escrita da autora é cuidada e fluída. Os capítulos pequenos facilitam o avançar da leitura. As personagens são muitas mas com algo em comum, estão destroçadas pela vida. 

A evolução da personagem principal é notória ao longo da narrativa. O que posso dizer é que a Alice criança cativou-me mais que a Alice adulta. Em adulta tomou decisões e teve atitudes com as quais não concordei nem me identifiquei. 

No geral, acho que é uma excelente estreia de Holly Ringland. É notório o trabalho de pesquisa feito pela autora, para perceber o significado das flores. Aborda temas sensíveis com muita inteligência e cuidado. A sua escrita sem dúvida que cativa e prende o leitor. Houve pormenores que foram mais bem conseguidos do que outros, mas não retira mérito à autora nem à historia que construiu. 

Ficarei a aguardar com expectativa um próximo romance da autora. Até lá só vos posso recomendar a leitura deste livro e esperar que gostem dele, tanto ou mais que eu. 

Boas leituras!

🌟🌟🌟🌟

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

[A minha Opinião] A ilusão de Merit


Já não é segredo nenhum que sou uma grande fã dos livros da Colleen Hoover. "A ilusão de Merit" é o sétimo livro da autora, publicado em Portugal. É também o sétimo livro que leio da autora. 

Quando comprei o livro, já muitos leitores o tinham lido e as opiniões eram diversas. Uns que tinham adorado o livro. Outros que comentavam que fugia um pouco ao que a autora apresenta habitualmente. Quanto a mim, a experiência com esta leitura foi a seguinte, primeiro estranha-se, depois entranha-se. 

A autora, desta vez, presenteou os leitores com um romance jovem-adulto. A temática central abordada, a depressão. Não é um tema sobre o qual é fácil escrever, mas a Colleen Hoover soube, de forma inteligente, sensível e bem humorada, tratar da temática. 

Merit Voss, personagem central da narrativa, não tem uma dinâmica familiar comum a tantos outros jovens. Mas será que hoje se pode falar de comum? A sua realidade familiar é algo peculiar, começando pelo lugar onde habitam. É uma das muitas singularidades da família Voss. Merit sofre na pele esta realidade e deixa-se moldar por ela. Vemos traços na sua personalidade que são fruto das suas experiências familiares. Merit é uma rapariga mais fechada, sensível, revoltada, desiludida com a vida e com os seus familiares. Até o dia que se apaixona e que resolve revelar segredos há muito escondidos. 

Continuo a gostar da forma de escrita acessível e fluída da autora. Dos capítulos curtos e cheios de diálogos, que fazem avançar na leitura. Das personagens criadas pela autora, que são sempre singulares e bem construídas. Das temáticas sensíveis abordadas pela autora. De como o amor é sempre a chave e a cura para tudo. 

Será que este livro entra nos top dos meus livros favoritos? Não, não entra, apesar da história e as personagens me terem conquistado aos poucos. Comparativamente a outros livros que li da autora, este não me arrebatou. Mas continuo a recomendar-vos a leitura. Não lemos todos de maneira igual um mesmo livro. Acredito que para alguns leitores este livro chegará à categoria de maravilhoso. Infelizmente para mim, que criei expectativas demasiado altas, não correspondeu. 

Ficarei agora a aguardar o novo livro da autora, que será publicado a 11 de Novembro pela Topseller. 
Boas leituras!   

🌟🌟🌟🌟

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

3 Novidades da Editorial Presença para a primeira quinzena de Agosto


Disponível a 7 de Agosto 

Sinopse
Uma fascinante narrativa sobre a vida sexual de três mulheres americanas, fundamentada num rigoroso trabalho jornalístico, empreendido por Lisa Taddeo. o desejo emociona-nos e atormenta-nos; controla os nossos pensamentos, destrói as nossas vidas, porém, pouco falamos sobre ele. Qual força submersa em nós, o desejo não sido devidamente explorado. 
Lisa Taddeo numa interessante pesquisa jornalística, realizada ao longo da última década, viajou pelos Estados Unidos onde conheceu mulheres comuns de diferentes origens e regiões, e traz-nos agora um retrato profundo e inovador do desejo. 
Começamos por conhecer Lina, no Indiana. Dona de casa, dois filhos. Após dez anos de casamento, já não há sinais de paixão no seu marido. Os seus dias são preenchidos com tarefas domésticas, como cozinhar para um homem que a rejeita. Carente de afeto, Lina sofre de ataques de pânico diários. Quando reencontra um velho amigo nas redes sociais, rapidamente inicia um caso extraconjugal. 
Maggie é uma estudante de dezassete anos, no Dakota do Norte. Tem um romance com o seu professor de Inglês, já casado. Apesar de Maggie alimentar esperanças de uma vida em comum, ele termina a relação entre ambos no dia em que faz trinta anos. Passados alguns anos, Maggie não tem um curso, nem carreira, nem sonhos de vida e pensa vingar-se… 
Sloane, dona de um restaurante bem-sucedido, é casada e feliz. Mas o marido gosta de a observar a ter relações com outros homens e mulheres. Ele seleciona os parceiros, só para ela ou a três. Ela tem de garantir a satisfação de todos. ao longo dos anos, Sloane tem-se questionado sobre onde termina o desejo do marido e começa o dela. Até que surge um novo parceiro sexual - que traz um segredo que irá finalmente forçar Sloane a refletir acerca de tudo aquilo que define o estilo de vida do casal. 
Três Mulheres é o retrato inovador do desejo erótico, expondo a fragilidade, a complexidade e as desigualdades com que a mulher se confronta no relacionamento sexual. Uma obra sem precedentes escrita com grande profundidade e um poder emocional intenso.


Disponível a 7 de Agosto

Sinopse
Will Kelly é um jovem professor, solteiro, romântico e sonhador, apaixonado por cinema, com um miserável salário que apenas lhe permite viver num pequeno e degradado apartamento em Londres. Sente-se deprimido… sobretudo porque ainda não esqueceu a bela Aggi, que o deixou três anos antes. Porém ainda não desistiu de procurar uma nova namorada. 
É o fim de semana do seu aniversário e Will está sozinho e desanimado no seu apartamento. Resta-lhe o seu precioso telefone que lhe permite sair da desesperante solidão e criar o elo com pessoas que conhece, entre as quais: Alice, que se lembra do seu aniversário; Simon, que não se lembra; Kate, a anterior inquilina do seu pobre apartamento; e, claro, a incomparável Aggi, o amor da sua vida... será? 
Uma leitura deliciosa, cativante e cheia de humor que conquistou leitores em todo mundo.


Disponível a 7 de Agosto 

Sinopse
Aos 18 anos, Nanette O’Hare é a típica rapariga bem-comportada. Porém, ela nunca sentiu realmente fazer parte de um grupo, sufocando num permanente desconforto com diversas atitudes das amigas e com os padrões sociais estabelecidos. Mas tudo muda quando, no último ano do colégio, ela recebe um livro do seu professor preferido, o clássico o Ceifador da Pastilha Elástica. 
Nesse momento, Nanette fica fascinada com a mensagem de que ela pode ser de facto quem é. Nanette torna-se amiga do recluso autor e apaixona-se por Alex, um jovem poeta que também é fã do livro. Encantada com este novo mundo que se abre, ela vai, pela primeira vez, tomar as suas próprias decisões. 
No entanto, aos poucos Nanette percebe que a liberdade pode ser um desejo arriscado e começa a questionar se a rebeldia não tem um preço demasiado elevado.

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Sugestão de leitura de verão do Círculo de Leitores


Sinopse
Pode um amor do passado mudar o rumo do futuro?
Madelaine Hillyard é uma cardiologista brilhante. Uma mãe extremosa, amiga carinhosa e uma mulher insegura. Esta é a história da sua filha, Lina, uma jovem rebelde que se vai tornando numa estranha, e dos dois homens que Madelaine ama: Francis, um padre em busca da sua fé, e Angel, um homem talentoso, mas cínico. Quando a tragédia os reúne novamente, têm de aprender a perdoar as traições do passado e de encontrar a coragem para amar novamente.
Comovente e inspiradora, é uma história sobre as linhas frágeis que unem as nossas vidas e os milagres dos nossos dias, os da medicina e, talvez, os que não são deste mundo.

Sugestões de leitura do blogue para este verão aqui.

sexta-feira, 26 de julho de 2019

5 livros para ler estas férias


A primeira metade do ano de 2019 já passou. Foram muitas as leituras feitas, diversos géneros literários lidos e diversas classificações dadas. 
Hoje trago-vos as cinco leituras que mais me marcaram neste primeiro semestre do ano. Escolhi livros de géneros distintos, para que vocês possam diversificar as vossas leituras. 
Espero que estas sugestões vos proporcionem bons momentos de leitura e que gostem tanto dos livros como eu.
Boas férias e excelentes leituras!


Às primeiras páginas já estava de lágrimas nos olhos e a pensar: "Afinal sempre vou precisar dos lenços mais rápido do que pensava." É incrível como a autora, com uma linguagem simples mas encantadora, fez despertar em mim tantas emoções opostas de carinho e revolta. Acho que é aí que reside o sucesso de um livro. Quando mexe com o leitor e lhe desperta todo o tipo de emoções. 
Já li muitos livros do género jovem adulto, mas acho que nenhum antes me tocou tanto como este. Mil Beijos entra, sem dúvida, para a minha lista de livros favoritos. 
Opinião completa aqui.

🌟🌟🌟🌟🌟


Só vos posso recomendar este thriller. Não vos vai faltar mistério, suspense, arrepios e muita loucura pelo meio. Eu nem queria pousar o livro, acreditem que foi difícil. Quando fechava o livro a história continuava na minha cabeça. Caso para dizer que este livro me fez perder a cabeça.
Opinião completa aqui.

🌟🌟🌟🌟🌟


Não vos vou revelar muito da história, porque assim estrago-vos a leitura. O que vos vou dizer é que gostei da escrita da Kristin Hannah, gostei das personagens que criou, tanto as principais como as secundárias. Por algumas nutri empatia e compaixão, por outras desprezo e indiferença. Agradou-me a perspectiva que a autora escolheu para nos apresentar a história, a partir de memórias, de um voltar atrás no tempo, e de desconhecer por completo quem é que narra essa viagem. 
Opinião completa aqui.

4,5
🌟🌟🌟🌟


Quanto à escrita do Nuno Nepomuceno, continua tão boa como sempre. Oferece-nos viagens constantes durante a leitura. Brinda-nos com capítulos pequenos, sempre com pequenas revelações e pistas. As personagens, como sempre, são singulares, com personalidades muito próprias. As pequenas histórias secundárias, que vão surgindo, são sempre algo misteriosas, chocantes, enriquecendo a narrativa. E o trabalho de pesquisa do autor, para escrever os seus livros, é bem notório. Aprendo sempre imenso com os seus livros.
Opinião completa aqui.

🌟🌟🌟🌟


O autor soube bem levar-me a viajar na sua história e a duvidar do que ia sendo narrado. A curiosidade de Fonchito, em relação aquele homem que todos os dias via no parque e que depois interpelou, passou também a ser a minha curiosidade. As dúvidas de Fonchito passaram a ser as minhas. A tristeza de Fonchito passou também a ser a minha. Isto ilustra bem como a escrita do autor cativa e desperta emoções no leitor. 
Opinião completa aqui.

🌟🌟🌟🌟

terça-feira, 23 de julho de 2019

Annabelle de Lina Bengtsdotter - Novidade Planeta


328 páginas
PVP: 18,85€
ISBN: 978-989-777-222-1

Sinopse
ONDE FOI INFELIZ, NÃO DEVIA VOLTAR.
Charlie Lager é detective em Estocolmo quando chega um pedido de ajuda para investigar uma adolescente desaparecida em Gullspång. O problema é que ela é dessa localidade, de onde saiu aos catorze anos e não quer regressar.
À medida que tenta descobrir quem era Annabelle e o que lhe aconteceu, acabará por fazer descobertas surpreendentes sobre o seu passado, um caso que tomará proporções drásticas e que levará Charlie ao limite.
A VÍTIMA
A filha de Nora, Annabelle, desapareceu, vista pela última vez a caminho de casa após uma festa.
SEM RUMO
A inexperiente polícia de Gullspång está sob a mira da imprensa nacional e os moradores desesperados por respostas.
CORRIDA CONTRA O TEMPO
A detective Charlie Lager é persuadida a voltar à aldeia natal para encontrar Annabelle. Lugar a que jurara nunca mais voltar. Quer encontrar Annabelle, mas também quer sair de lá o mais rapidamente possível. Antes que descubram a verdade sobre o seu passado.

Lina Bengtsdotter cresceu em Gullspång e, após viver em Inglaterra e Itália, fixou-se em Estocolmo, onde vive com o marido e os filhos. É professora de Sueco e de Psicologia e publicou artigos na imprensa.

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Quando Leres Isto, de Mary Adkins - Novidade Bertrand Editora


Género: Literatura / Romance
Tradução: Rosa Amorim
Formato: 15 x 23,5 cm
N.o de páginas: 336
PVP: € 16,60€
ISBN: 9789722535342
Data de publicação: 12 de julho de 2019

Sinopse
Durante quatro anos, Iris Massey trabalhou lado a lado com Smith Simonyi, especialista em relações públicas, ajudando-o a gerir a carteira de clientes e a aperfeiçoar as suas marcas. Mas Iris morreu, vítima de cancro, com apenas trinta e três anos. À deriva sem a sua amiga e colega, Smith fica surpreendido quando descobre que Iris, nos últimos seis meses de vida, criou um blog com reflexões perspicazes, e normalmente bem-humoradas, acompanhadas por um pedido final: Smith devia publicar em livro os seus posts.
Com a ajuda de Carl, o seu novo e encantador estagiário, Smith encarrega-se de realizar o último desejo de Iris. Para o poder fazer, tem de obter autorização de Jade, a irmã mais velha de Iris. Mas é aqui que a intriga se adensa...

Mary Adkins é uma autora norte-americana publicada pelo New York Times e pela revista Atlantic. Licenciada pela Duke University e por Yale, vive em Nova Iorque com a família. É professora de Ficção e co-fundadora do podcast I'M STILL HERE.

sexta-feira, 19 de julho de 2019

O Comboio da Noite, de Martin Amis - Novidade Quetzal


Género: Literatura/Romance
Formato: 15 x 23,5 cm
N.o de páginas: 160
Data de lançamento: 19 de julho de 2019
PVP: € 16,60
ISBN: 9789897225529

Sinopse
Mike conhecera Jennifer Rockwell: era muito bela, inteligente, uma criatura extraordinariamente adorada por toda a comunidade. Encontrá-la com um tiro na cabeça foi um choque tremendo, e maior ainda foi a perplexidade quando todos os indícios apontaram para o suicídio. Tom Rockwell não iria descansar enquanto não encontrasse uma explicação satisfatória. Porém, à medida que Mike vai investigando, a possibilidade de encontrar uma motivação linear vai-se tornando cada vez mais remota, e a verdade por trás daquela morte voluntária é cada vez mais perturbadora.

Martin Amis é um dos autores de língua inglesa mais importantes e controversos da atualidade. Nasceu no País de Gales e é filho do escritor Kingsley Amis.
A matéria-prima dos seus romances radica no absurdo da condição pós-moderna e nos excessos do capitalismo tardio das sociedades ocidentais; e o seu inconfundível estilo é compulsivo e terrivelmente vívido.
Saul Bellow, Vladimir Nabokov e James Joyce são as suas grandes referências literárias. Por seu turno, influenciou uma nova geração de romancistas, como Will Self ou Zadie Smith.

Rationale - Say What's on Your Mind

[A minha Opinião] Mil beijos


M A R A V I L H O S O!

Quando fechei o livro já estava com saudades de Poppy e Rune.

O que dizer deste livro? Acho que todas as palavras que aqui conseguir deixar, serão poucas para exprimir as emoções que senti a ler este livro. 

Quando o livro me veio parar às mãos, mal sabia eu a maravilha de história que estava presa naquelas páginas, à procura de encontrar o seu caminho até mim.

Li o livro porquê? Porque uma amiga minha, também uma grande leitora, me disse: "tens de ler Tillie Cole, Isa. Tens que ler vais amar. Agarra nos lenços porque parte o coração a qualquer pessoa e o final, lindo mesmo." Ora depois desta recomendação tão sentida, fui logo agarrar no livro. Bendita amiga! 

Logo no inicio da leitura simpatizei com as duas personagens principais, duas crianças ainda, Poppy e Rune. É impossível não sentir ternura pela inocência destes dois.

A história, a meu ver, foi muito bem construída pela autora. Narra ao leitor as várias fases da vida de Poppy e Rune, em diferentes idades. Acompanhei a história de ambos e nutri por eles carinho. Sim, é difícil não simpatizar com o lado sensível, sonhador e talentoso de Poppy, e pelo lado rebelde, desafiador e sombrio de Rune. E mais não vou dizer sobre eles, porque quero que o descubram durante a leitura.

Às primeiras páginas já estava de lágrimas nos olhos e a pensar: "Afinal sempre vou precisar dos lenços mais rápido do que pensava." É incrível como a autora, com uma linguagem simples mas encantadora, fez despertar em mim tantas emoções opostas de carinho e revolta. Acho que é aí que reside o sucesso de um livro. Quando mexe com o leitor e lhe desperta todo o tipo de emoções. 

Já li muitos livros do género jovem adulto, mas acho que nenhum antes me tocou tanto como este. Mil Beijos entra, sem dúvida, para a minha lista de livros favoritos. Depois da leitura tive de gritar a sete ventos (neste caso escrever em letras garrafais) para lerem este livro. E volto a repetir: LEIAM ESTE LIVRO MARAVILHOSO. 

Não sei se disse tudo o que havia a dizer sobre o livro, mas foram estas as palavras que encontrei para recomendar o livro. 

Só tenho mais um pedido, que a Quinta Essência publique mas livros da Tillie Cole. 

Boas leituras!

🌟🌟🌟🌟🌟

quinta-feira, 18 de julho de 2019

[A minha Opinião] O Rouxinol



Ai O Rouxinol! O que eu li e ouvi falar deste livro. Quem o leu só diz maravilhas e recomenda a leitura. Porque a curiosidade é tramada e nunca tinha lido nada sobre a autora, lá arrisquei e comprei o livro. Já estava há uns bons meses na estante à espera de ser lido, até que uma seguidora do meu blogue me disse que ia começar a lê-lo. Eu num impulso repentino sugeri que fizéssemos leitura conjunta do livro. Não estando ainda completamente satisfeita, resolvi lançar o desafio a vários leitores e assim aconteceu a primeira leitura conjunta. Que desafio e que experiência. Adorei! 

Agora que já vos expliquei como acabei lendo este livro, quero partilhar convosco a minha experiência de leitura deste livro. Mais de 500 páginas, bem escritas e narradas, sobre uma temática que me custa sempre ler, mas que não consigo dispensar. Nunca é fácil ler sobre a II Guerra Mundial e a cruel ocupação nazi. 

Neste livro é retratada a ocupação nazi em França. Dos inúmeros livros que li sobre o tema, acho que ainda não tinha lido nada sobre a perspectiva francesa dos acontecimentos. Como em todos os países ocupados, França passou por toda a crueldade que uma guerra pode trazer, que está guerra trouxe. O regime nazi não ficou conhecido pela sua brandura e sim pela sua crueldade e terror. É impossível ler-se sobre o tema sem ficar fisicamente afectados. 

Nesta história temos duas grandes figuras centrais, Vianne e Isabelle. Duas mulheres que não podiam ser mais o oposto uma da outra, apesar dos laços de sangue que as unem. Têm em comum o abandono que sofreram quando eram muito novas. Essas perdas moldaram de formas diferentes as mulheres que são no presente. Isabelle é uma mulher rebelde, resistente, motivada, corajosa, determinada. Vianne é completamente o oposto, uma mulher ponderada, pouco corajosa, realista, mãe e mulher dedicada. A relação entre ambas sempre foi conflituosa e em tempo de guerra ainda se torna mais visível. Ambas têm ideias opostas a como devem agir perante um inimigo tão próximo. 

Não vos vou revelar muito da história, porque assim estrago-vos a leitura. O que vos vou dizer é que gostei da escrita da Kristin Hannah, gostei das personagens que criou, tanto as principais como as secundárias. Por algumas nutri empatia e compaixão, por outras desprezo e indiferença. Agradou-me a perspectiva que a autora escolheu para nos apresentar a história, a partir de memórias, de um voltar atrás no tempo, e de desconhecer por completo quem é que narra essa viagem. 

Devem estar a estranhar o facto de estar a apontar tão bons comentários e ter dado ao livro as 4,5 estrelas ao livro. A razão pela qual não dou as 5 estrelas é porque acho que os capítulos finais foram um pouco precipitados e houve um momento na história que achei demasiado difícil de acontecer, tendo em conta a realidade narrada. Por estas razões é que acho que não mereceu as 5 estrelas mas é um livro que recomendo a leitura, sem a mínima dúvida. 

Depois de ler o livro compreendo por que razão é muitas vezes referido e recomendado. Fiquei com imensa curiosidade de ler mais livros da autora. Espero em breve estar a fazê-lo. 

Boas leituras!    

4,5
🌟🌟🌟🌟

quarta-feira, 17 de julho de 2019

[A minha Opinião] D. Maria II A menina rainha


Leio muito pouco sobre as grandes figuras da História de Portugal. Talvez por isso este livro tenha chamado por mim. D. Maria II foi uma rainha que vi muitas vezes referida nos inúmeros manuais de História e da qual não tinha muitas memórias. Pouco me lembrava da sua vida e feitos enquanto rainha. 

Este livro de Isabel Stilwell, apesar de estar mais virado para os leitores infantis e juvenis, não deixa de ser também uma bela leitura para os leitores mais graúdos. Posso dizer-vos que tive uma fantástica aula de História, e eu que quando era mais nova, não gostava muito. Este livro prova que tudo depende de como é transmitida a mensagem. 

Quem pegar neste livro de pouco mais de 90 páginas, irá aprender mais um pouco da nossa História e conhecer muito melhor a nossa jovem rainha, D. Maria II. 

A escrita da Isabel Stilwell é apropriada aos jovens leitores, de uma simplicidade e proximidade ao leitor bem notória. A personagem de D. Maria II fala na primeira pessoa ao leitor, o que faz com que nos sintamos mais próximos da personagem. A empatia pela figura de D. Maria II é imediata. 

Quanto às ilustrações de Violeta Cor de Rosa, que acompanham toda a história são de uma beleza singular e dão um colorido à história maravilhoso. 

É mais que óbvio que vos vou recomendar, sem reservas, esta leitura. Leiam e fiquem a conhecer um pouco melhor esta menina rainha. 

Boas leituras!   

🌟🌟🌟🌟

terça-feira, 16 de julho de 2019

[A minha Opinião] O Barco das Crianças



O que é que me conquistou logo no livro? A capa, sem dúvida. Foi o que me levou a ler a sinopse e a ter curiosidade de ler o livro. 

Esta é a minha primeira experiência de leitura de Mario Vargas Llosa. Apesar de ser um livro infantil/juvenil, despertou em mim a curiosidade de ler mais livros do autor. 

No que a este livro diz respeito, adorei a escrita do autor, as personagens, a história fantástica e as personagens, o curioso Fonchito e aquele homem misterioso que todos os dias se senta num banco a observar o mar. 

O autor soube bem levar-me a viajar na sua história e a duvidar do que ia sendo narrado. A curiosidade de Fonchito, em relação aquele homem que todos os dias via no parque e que depois interpelou, passou também a ser a minha curiosidade. As dúvidas de Fonchito passaram a ser as minhas. A tristeza de Fonchito passou também a ser a minha. Isto ilustra bem como a escrita do autor cativa e desperta emoções no leitor. 

As ilustrações de Zuzanna Celej são maravilhosas. Complementam na perfeição as palavras escritas pelo autor. É uma pequena obra de arte. 

Quanto ao final do livro, é surpreendente. A forma como o autor durante toda a narrativa me deixou na duvida, para que o final fosse fantástico. 

Uma leitura que recomendo sem reservas. Leiam, vale muito a pena.

Boas leituras!

🌟🌟🌟🌟

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Quase a chegar às livrarias - O Homem que Eu Penso Conhecer


Disponível a 17 de Julho

Sinopse
O novo livro de Mike Gayle é um romance deslumbrante. É uma história poderosa, emocionante, ao mesmo tempo amarga e terna, sobre uma amizade inesperada e um amor improvável. Uma história que não nos deixa esquecer a coragem genuína que reside no nosso coração. Desde o incidente, James DeWitt age sempre pelo seguro. Ele gosta de saber o que poderá acontecer a seguir. Danny Allen não age pelo seguro. Pode dizer-se que arrisca permanentemente ir além do ponto de não retorno. 
Às vezes, porém, a vida troca-nos as voltas e quando pensamos que conhecemos a realidade, ela surpreende-nos. E tudo pode vir a acontecer da forma que menos se espera…

CRÍTICAS DE IMPRENSA
«Mike Gayle é o rei das histórias comoventes e humanas, e este livro tão cheio de emoção é o seu melhor até agora. 5 estrelas.»
Heat

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Quase a chegar às livrarias - Rumo Aos Mares da Liberdade


Disponível a 17 de Julho 

Sinopse
Irlanda, 1846. Kathleen e Michael amam-se e planeiam em segredo abandonar a terra natal, a humilde e faminta Irlanda, em busca de uma vida melhor no Novo Mundo. Mas todos os seus sonhos são truncados quando Michael é condenado como rebelde e desterrado para a Austrália.
Kathleen, grávida, será forçada a casar com um negociante de gado e emigrar com ele para a Nova Zelândia. Enquanto isso, Michael, com a ajuda da audaciosa Lizzie, tentará escapar da colónia penal para se reunir ao seu primeiro amor. Sarah Lark seduziu sete milhões de leitores em todo o mundo com as suas grandes sagas familiares em lugares exóticos. Amplamente imitada, Lark conseguiu criar e consolidar um novo género narrativo, o landscape, em que as suas heroínas vivem destinos marcados pela aventura, as viagens, o romance e a história.

Pode comprar o livro aqui.

quarta-feira, 10 de julho de 2019

Quase a chegar às livrarias - Devo-te a Felicidade


Disponível a 16 de Julho 

Sinopse
Fixie Farr tem uma compulsão terrível: a de arranjar tudo… Seja a endireitar de um quadro, tratar de uma nódoa quase invisível ou auxiliar um amigo em apuros, ela é simplesmente incapaz de não agir. O mesmo se aplica ao negócio de família que gere com os irmãos, ainda que, em segredo, sinta por vezes que tudo recai sobre si. 
E quando um belo desconhecido lhe pede para ela olhar um instante pelo seu computador portátil, não é de admirar que ela diga que sim. Agradecido, Sebastian acaba por lhe rabiscar uma nota de dívida (que, evidentemente, ela não irá cobrar).
Ou será que vai?
É que Ryan, por quem Fixie tem um fraquinho, precisa de ajuda. E quem melhor do que Sebastian para o ajudar? Só que agora é ela que tem uma dívida para com ele e Fixie não está habituada a ver-se nessa situação. Após uma sucessão de notas de dívida, de favores insignificantes e ajudas preciosas… Fixie depressa dá por si dividida entre o passado confortável e o futuro que julga merecer.
Terá ela coragem de "dar um jeito" à sua própria vida e lutar por aquilo que verdadeiramente quer?

Compre o livro aqui.

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Estás aí, Deus? Sou eu, a Margaret de Judy Blume - Novidade Editorial Presença


Data de publicação 03-07-2019
Colecção Ficção Juvenil
Número na coleção 33
Edição 1
Número de páginas 168
ISBN 9789722364096
Dimensões 140 * 210

Sinopse
Margaret Simon gosta de cabelos compridos, de atum, do cheiro da chuva e de coisas cor-de-rosa. Ela acabou de mudar-se com a família do centro da cidade de Nova Iorque para os subúrbios, e está ansiosa por se integrar no seu novo grupo de amigas que juram contar sempre tudo umas às outras - os primeiros sutiãs, os primeiros beijos, a primeira vez que tiverem o período. Tudo. Porém, há coisas que são demasiado íntimas para partilhar com outras pessoas, ainda que sejam nossas amigas, e sobretudo quando se é a nova rapariga do grupo. 
Mas para sorte de Margaret, ela tem uma ligação com alguém muito especial! É que ela pode conversar com Deus acerca de tudo - família, amigos e até mesmo sobre a sua paixão secreta.

Judy Blume é uma das mais prestigiadas autoras norte-americanas de livros infanto-juvenis. Nasceu a 12 de fevereiro de 1938, em Elizabeth, no estado da Nova Jérsia. Fez o curso de Escrita Criativa para Crianças na Universidade de Nova Iorque. Depois de ter publicado contos em diversas revistas, Judy Blume publicou, em, 1970, o seu primeiro romance, Iggies House. Ela é autora de livros para jovens que são bestsellers n.º 1 do jornal The New York Times. Os seus livros já venderam mais de 85 milhões de exemplares em todo o mundo, estando traduzidos em mais de 30 línguas.

Saiba mais sobre o livro no site da Editorial Presença aqui.

Passatempo Exclusivo Facebook - Matéria-Prima Edições


Em vigor até 08 de Julho
Participe aqui.
Boa sorte!



quarta-feira, 3 de julho de 2019

Lá, onde o vento chora de Delia Owens - Novidade Porto Editora


Título: Lá, onde o vento chora
Autora: Delia Owens
Tradutor: Leonor Bizarro Marques
Págs.: 392
Capa: mole com badanas
PVP: 18,80 €

Sinopse
Kya tem apenas seis anos de idade quando vê a mãe sair de casa, com uma maleta azul e sapatos de pele de crocodilo, e percorrer o caminho de areia para nunca mais voltar. E à medida que todas as outras pessoas importantes na sua vida a vão igualmente abandonando, Kya aprende a ser autossuficiente: sensível e inteligente, sobrevive completamente sozinha no pantanal a que chama a sua casa, faz amizade com as gaivotas e observa a natureza que a rodeia com a atenção que lhe permite aprender muitas lições de vida.
O isolamento em que vive durante tantos anos influencia o seu comportamento: solitária e fugidia, Kya é alvo dos mais cruéis comentários por parte dos moradores da pacata cidade de Barkley Cove.
E quando o popular e charmoso Chase Andrews aparece morto, todos os dedos apontam na direção de Kya, a miúda do pantanal. E o impensável acontece.
Neste romance de estreia, Delia Owens relembra-nos que somos formatados para sempre pelas crianças que um dia fomos, e que para sempre estaremos sujeitos aos maravilhosos, mas também violentos, segredos que a natureza encerra.

Delia Owens é coautora de três livros de não-ficção, sucessos de vendas internacionalmente reconhecidos, sobre a sua experiência como cientista da vida selvagem, em África. Zoóloga formada pela Universidade da Geórgia, tem ainda um doutoramento em comportamento animal pela Universidade da Califórnia. Venceu o John Burroughs Award para artigos sobre natureza. Foi publicada em várias revistas de referência na área da ecologia e da vida selvagem. Delia Owens vive em Idaho e este Lá, onde o vento chora é o seu primeiro romance.

Compre o livro aqui.

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Quase a chegar às livrarias - 1793


Disponível a 2 de Julho 

Sinopse
No seu romance de estreia, 1793, Niklas Natt och Dag pinta um retrato convincente do final do século XVIII em Estocolmo. Através dos olhos dos diferentes narradores, o verniz em pó e a pintura da época são retirados para revelar a realidade assustadora, mas fascinante, escondida além dos factos secos dos textos de História. 
Com um pé firmemente cravado na tradição literária e outro na literatura de suspense, Natt och Dag cria um género inteiramente novo de thriller histórico sugestivo e realista. Retrata a capacidade de se ser cruel em nome da sobrevivência ou da ganância — mas também a capacidade para o amor, a amizade e o desejo de um mundo melhor.

1793 é um fenómeno editorial sem par. Vai ser publicado em 35 países, e já conta com diversos prémios literários,  é um inegável sucesso da crítica e do público em todos os países onde já foi publicado.

Quase a chegar às livrarias - Uma estrela na noite


Disponível a 12 de Julho

Sinopse
Tully Hart e Kate Mularkey eram amigas inseparáveis. Agora, anos mais tarde, Tully tenta lidar com a perda da sua melhor amiga e cumprir a promessa que lhe fez de apoiar os seus filhos - mas Tully desconhece o que é ser mãe, ter uma família e preocupar-se com os outros. Marah Ryan, a filha de Kate, anda tão perdida na sua dor como Tully. Dorothy Hart, a mãe de Tully, é uma mulher instável que abandonou a filha muitas vezes no passado, mas reaparece desesperada por uma oportunidade de ser boa mãe. 
Uma tragédia irá unir estas três mulheres e colocá-las num momento da vida poderoso e de redenção. Todas elas estão desnorteadas e vão precisar umas das outras - e talvez de um milagre - para transformar as suas vidas...

Comprar aqui.

terça-feira, 25 de junho de 2019

7 Novidades de Julho que quero ler


Disponível a 2 de Julho

Sinopse
Ela amou-o como ninguém.
Mas só agora lhe revela os seus segredos... 
Catherine, o grande amor de Sean, acaba de morrer. Mas a história de ambos não termina aqui. Ganha, sim, um novo rumo pois Catherine deixa a Sean um legado surpreendente: uma caixa embrulhada em papel castanho e atada com um cordel. Essa caixa contém a vida que partilharam. Todo um universo íntimo, intenso, inesquecível. E secreto, pois há partes que Sean não reconhece…
Catherine está a abrir finalmente o seu coração ao marido e a revelar tudo o que ficou por dizer. E muito ficou por dizer. 
Mas, por mais desconcertante que possa ser esta "nova" história, Sean mergulha nela de alma e coração. Sem vacilar, sem nunca perder a esperança de confirmar as suas suspeitas de que o Destino existe… e que o amor de ambos não foi apenas o resultado do acaso.
E quando, por fim, Sean cede e questiona a sua fé no poder superior do Amor, algo - talvez o Destino em que Catherine não acreditava - lhe dá a resposta por que sempre ansiou. 
Dilacerante e redentor, Tudo o que Não Dissemos apresenta aos leitores portugueses o magnífico contador de histórias que é Nick Alexander.



Disponível a 2 de Julho 

Sinopse
Um excelente mistério. O novo fenómeno do policial sueco chega a Portugal. Numa manhã quente de Julho, na idílica ilha de Sandhamn, na Suécia, um homem passeia com o cão e faz uma descoberta horrível: um corpo, emaranhado numa rede de pesca, deu à costa. Uma das autoras suecas mais populares e com mais êxito da actualidade. A série Sandhamn já vendeu mais de 4,5 milhões de exemplares em todo o mundo.



Disponível a 3 de Julho 

Sinopse
Kent, 1940. Chilbury, uma idílica povoação inglesa, vê os seus homens - maridos, filhos, irmãos - partirem para a guerra. Entregues a si próprias, as mulheres da aldeia confrontam-se com uma outra batalha: salvar o coro local que o pároco decidiu encerrar, para, através do canto, desafiarem o grande conflito que se trava na Europa. e com esse objetivo juntam-se à carismática Miss Primrose Trent, professora de música recém-chegada a Chilbury.
Entre elas, destacam-se Mrs. Tilling, uma viúva tímida; Venetia, a sedutora da aldeia; Silvie, a jovem refugiada judia; Edwina, uma parteira pouco escrupulosa que procura fugir de um passado sórdido. Bisbilhotices, ciúmes, medos, angústias, amores secretos marcam este romance inspirador e profundamente comovente que explora o modo como uma pequena comunidade consegue enfrentar as vicissitudes e os horrores de uma guerra violenta e destruidora. 
Entre risos e lágrimas, e inspirando-se nas prodigiosas histórias que lhe contava a avó, que viveu no período da 2ª Guerra Mundial, numa pequena aldeia de Kent, Jennifer Ryan explora as almas deste coro que nenhum leitor jamais irá esquecer. 
Um pequeno tesouro, inteligente e com um humor tipicamente britânico. 



Disponível a 4 de Julho

Sinopse
Robbie e Emily estão juntos desde sempre, mas o seu amor permanece vivo e forte. Ao longo da vida, têm partilhado a cama, a casa e uma ligação tão profunda que parece indestrutível. Mas há coisas que eles não partilham com ninguém, para bem de todos.
Numa manhã como qualquer outra, Robbie acorda, veste-se, escreve uma carta a Emily e sai de casa. Para sempre. Há um segredo que ambos guardam desde o dia em que se conheceram. Os sacrifícios e as escolhas que fizeram ao longo da vida podem agora ser expostos perante todos e esta é a única maneira de os preservar.



Disponível a 5 de Julho

Sinopse
Na Lisboa de finais dos anos noventa, um jovem escritor em crise vê o seu caminho cruzar-se com o de um grande escritor. Dessa relação, nasce uma história que mescla realidade e ficção, um jogo de espelhos que coloca em evidência alguns dos desafios maiores da literatura. 
A ousadia de transformar José Saramago em personagem e de chamar Autobiografia a um romance é apenas o começo de uma surpreendente proposta narrativa que, a partir de certo ponto, não se imagina como poderá terminar. José Luís Peixoto explora novos temas e cenários e, ao mesmo tempo, aprofunda obsessões, numa obra marcante, uma referência futura.



Disponível a 5 de Julho

Sinopse
Ao longo de mais de dois anos, Miep e o marido ajudaram a esconder judeus numa Holanda tomada pelos nazis. Como milhares de heróis desconhecidos do Holocausto, eles arriscaram diariamente a vida ao levar alimentos, livros, notícias e carinho às vítimas. 
Miep trabalhava como assistente de Otto Frank, o pai de Anne Frank, e tornara-se íntima da família. Ao longo de 25 meses, ela e o marido mantiveram a família Frank escondida no anexo de um prédio de Amesterdão até serem traídos por uma denúncia anónima. Quando a Gestapo invadiu o esconderijo, a 4 de agosto de 1944, e prendeu todos os seus ocupantes, deixou para trás o diário de Anne e outros dos seus escritos, em folhas soltas, Miep recolheu esses escritos na esperança de voltar a encontrar Anne e lhos poder entregar.
Neste livro intemporal, Miep relembra esses dias tortuosos e fá-lo com uma clareza e uma emoção vívidas. A narrativa vai da sua própria infância, enquanto refugiada da Primeira Guerra Mundial, até ao momento em que entrega a Otto Frank - o único dos ocupantes do esconderijo a sobreviver ao Holocausto - o pequeno diário axadrezado. Até então, não fora lido por ninguém.



Disponível a 12 de Julho

Sinopse
Depois do seu pai e da sua mãe terem acabado com as próprias vidas de maneira muito parecida, em dois suicídios brutais e com intervalo de apenas alguns meses, Anna está a tentar virar a página do passado trágico da sua família e recomeçar a sua vida. 
O novo namorado e o filho vieram para trazer à Anna alguns sorrisos no meio do caos. Mas, mesmo com todo o seu esforço para superar os seus traumas e se entregar aos novos começos, o seu passado de repente volta à tona trazendo ainda mais dor e devastação.
No primeiro aniversário da morte da sua mãe, Anna recebe um bilhete anónimo e perturbador: Suicídio? Pensa melhor. Será possível que alguém poderia ser cruel ao ponto de fazer uma brincadeira dessas? Ou de facto existe algo por trás do suposto suicídio de seus pais? 
No fundo, Anna nunca entendeu como eles tinham sido capazes de tirar as suas próprias vidas de maneira tão cruel.
Deixa-me Mentir tem o ritmo lancinante que é a marca de Clare Mackintosh. Carregado de reviravoltas, deixa qualquer um em estado de choque da primeira à última página.