sexta-feira, 2 de junho de 2017

Olhar o Mundo de António Mateus - Novidade Marcador



NÃO FICÇÃO – SOCIEDADE
PÚBLICO – Público em geral
No DE PÁGINAS - 200pp. + caderno de extratextos de 8pp.
FORMATO – 15,5*23,5cm
PREÇO (c/IVA) – 17,50€
ISBN – 978-989-754-321-0
DATA DE LANÇAMENTO – 07-06-2017

Sinopse
Este é um livro que empresta andaimes de saberes indispensáveis ao entendimento de um mundo cada vez mais complexo e em rápida mudança.
Numa era de assumida urgência e importância, de saber para agir, investigadores de todas as esferas de Relações Internacionais, responderam ao desafio de traçar um cenário de futuro próximo, assente nas atuais tendências, por eles identificadas, nas respectivas áreas de perícia.
Numa primeira parte, este livro inclui os saberes de 13 personalidades marcantes do pensamento político e humanista da atualidade, entrevistadas pelo autor, no programa da RTP “OLHAR O MUNDO”, eleito pelo terceiro ano consecutivo, o “Melhor Programa de Relações Internacionais” das televisões portuguesas.
E um desafio sem precedentes compõe a segunda parte, com capítulos que são peças de um puzzle cuja montagem permitir-nos-á a todos – governantes, académicos, estudantes e cidadãos comuns – antecipar muitos dos ventos que irão varrer o palco das Relações Internacionais, no futuro que se avizinha.
Quem melhor do que investigadores de primeira linha no mundo das Relações Internacionais, com créditos reconhecidos nas suas respectivas áreas, poderia responder de forma mais efectiva a uma provocação-tese?

António Mateus é coordenador e apresentador do programa de Relações Internacionais da RTP, é jornalista profissional desde 1984 e autor de cinco livros centrados em experiências de reportagem em cenários de conflito, por ele acompanhados durante 16 anos em três continentes.
Destacado em 1986 para Maputo, tornou-se o mais jovem jornalista de sempre a chefiar uma delegação de agências internacionais de notícias, um posto a partir do qual cobriu as guerras civis de Angola, Moçambique e Grandes Lagos, as sucessivas rondas de paz para estas regiões e a luta contra o apartheid na África do Sul.​

Sem comentários :

Publicar um comentário