sábado, 21 de outubro de 2017

Sempre livros


Aquisições - Bertrand Editora


No início do mês de Outubro recebi este mimo bom da Bertrand Editora. Obrigada! "Nenhuma verdade se escreve no singular" é o primeiro romance de Cláudia Cruz Santos e estou muito curiosa. Ler mais autores portugueses é um dos meus objectivos e esta leitura estará reservada para breve. 
E vocês leitores, curiosos com este livro? Lêem muitos autores portugueses?
Boas leituras!

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Nicholas Sparks em Portugal


É já amanhã, 21 de Outubro, que os fãs de Nicholas Sparks terão oportunidade de vê-lo e ouvi-lo. O autor vem a Portugal divulgar o seu mais recente livro "Só nós dois".
O evento terá lugar no Picadeiro Real, o antigo Museu dos Coches, às 17h. A entrada é gratuita.

 

Para lá do inverno de Isabel Allende - Novidade Porto Editora


Título: Para lá do inverno
Autor: Isabel Allende
Tradução: Ângela Barroqueiro
Capa: mole com badanas
N.o páginas: 336
PVP: 18,80€
Disponível a 2 de Novembro 

Sinopse
«No meio do inverno, aprendi por fim que havia em mim um verão invencível»
Isabel Allende parte da célebre frase de Albert Camus para nos apresentar um conjunto de personagens próprios da América contemporânea que se encontram «no mais profundo inverno das suas vidas»: uma mulher chilena, uma jovem imigrante ilegal guatemalteca e um cauteloso professor universitário.
Os três sobrevivem a uma terrível tempestade de neve que se abate sobre Nova Iorque e acabam por perceber que para lá do inverno há espaço para o amor e para o verão invencível que a vida nos oferece quando menos se espera.
Para lá do inverno é um dos romances mais pessoais da autora: uma obra absolutamente atual que aborda a realidade da migração e a identidade da América de hoje através de personagens que encontram a esperança no amor e nas segundas oportunidades.

Isabel Allende, nascida em 1942, de nacionalidade chilena-americana, viveu no Chile entre 1945 e 1951, quando começou a viajar seguindo o seu padrasto, um diplomata chileno. Iniciou no Chile a sua carreira como jornalista. Após o golpe militar de 1973, refugiou-se na Venezuela, onde residiu treze anos, e aí começou a escrever. Desde 1988 vive na Califórnia.
Em 1982, o seu primeiro romance, A casa dos espíritos, transformou-se num dos títulos míticos da literatura latino-americana. Desde então escreveu vinte e dois livros, que se tornaram êxitos internacionais. A sua obra foi traduzida para trinta e cinco línguas e vendeu mais de sessenta e sete milhões de exemplares. Recebeu mais de cinquenta prémios internacionais e treze doutoramentos honorários. Em 2010 foi galardoada no Chile com o Prémio Nacional de Literatura, e em 2014 recebeu a Medalha da Liberdade, o galardão civil mais importante dos Estados Unidos.
Mais informações sobre a autora estão disponíveis em www.isabelallende.com e www.facebook.com/isabelallende.

Aquisições - Quetzal


Da maravilhosa Quetzal, recebi já tem alguns dias, o mais recente livro de José Luís Peixoto, O Caminho Imperfeito. É a minha estreia na escrita deste autor português. Começo com um livro de não-ficção. A leitura do livro já está feita e a opinião do livro sairá em breve. Muito obrigada à Quetzal por me ter dado esta oportunidade. 
E vocês leitores, já leram ou querem ler este livro? São fãs de José Luís Peixoto? Que livro ou livros me recomendam ler a seguir?
Boas leituras! 

[A minha Opinião] Valéria ao Espelho


Fiz a leitura do primeiro livro "Nos sapatos de Valéria" a velocidade cruzeiro e, assim que o terminei não resisti em iniciar este segundo volume, "Valéria ao Espelho". 

Muitas foram as perguntas sem resposta deixadas no final do primeiro livro e a curiosidade estava a matar-me. Depois do desbloqueio de escrita de Valéria, muito aconteceu a esta personagem, dividida entre dois homens, Adrián e Vítor. Nerea ficará de repente sem tapete e terá de tomar uma decisão importante. Lola luta para saber o que quer para si e de Sérgio, a sua eterna dor de cabeça e tentação. Carmen vê a sua vida profissional desmoronar ao mesmo tempo que dá um passo importante com o seu mais que tudo, Borja. 

Todas estas mulheres encontram-se numa luta impiedosa contra elas mesmas e a vida. Vida essa que está a ser madrasta e a exigir de cada uma delas força, coragem e resiliência. 

Este segundo livro traz uma realidade mais quotidiana das personagens. Senti-me mais próxima das personagens porque me identifiquei com os receios, problemas, inquietações da vida de cada uma delas. Continua a ser uma leitura com momentos divertidos e sexys, mas que enaltece mais as emoções.

Valéria e companhia mais uma vez não desiludiram. Elísabet Benavent manteve as peripécias e loucuras neste segundo livro. Há muitos inícios e fins durante a leitura. Muitas gargalhadas, nervos e emoção. Estou em pulgas pelo terceiro livro da série e ver o que me reservam as cenas dos próximos capítulos.

Uma leitura mais que recomendada.
Boas leituras! 

Biblioteca Perfeita


Imagem retirada aqui.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

[A minha Opinião] Nos Sapatos de Valéria



Quando este primeiro volume de uma série, Nos Sapatos de Valéria chegou cá a casa, olhei para ele com interesse. Conquistou-me logo pela capa, simples mas cativante. A sinopse compacta, espicaçou-me logo a curiosidade. Acho que a primeira frase: "Valéria é uma escritora de histórias de amor.", é suficiente para que se desenhe a promessa de uma boa leitura. A chamada de atenção de que pode causar dependência é completamente verdadeira.  

Foi muito fácil envolver-me na leitura. A escrita de Elísabet Benavent é simples, directa, muitas vezes crua e sem rodeios, e por esse facto sem complicações. A história é construída tendo como base as relações amorosas, de amizade e profissionais. Centra-se na vida de um grupo de quatro amigas, que em muito me fez lembrar a famosa série "O Sexo e a Cidade".

A personagem principal, Valéria, é uma jovem escritora, que lançou um primeiro livro de grande sucesso, e que no momento actual luta para ultrapassar um bloqueio de escrita. É a partir desta personagem que vamos conhecendo o seu núcleo de amigas, Nerea, Carmem e Lola. São estas quatro mulheres que me levam numa viagem emocionante. Acompanho os dilemas, os sucessos e insucessos da vida de cada uma delas. Quatro mulheres diferentes que como grupo são brutais.

É impossível não gostar deste livro. Fiquei agarrada às primeiras páginas. É uma loucura a vida destas quatro personagens. Durante a leitura tenho momentos hilariantes, de soltar gargalhadas, principalmente com a personagem de Lola, que raramente pensa no que diz e não tem papas na língua. Momentos emotivos, tensos, porque a vida destas quatro amigas não é um mar de rosas. E momentos sexys, que são uma constante neste romance. Sim, porque onde há confissões de mulheres, há sempre homens bonitos envolvidos, e neste romance não é excepção. Vítor fará suspirar muitas leitoras!

Em suma, é uma leitura leve, divertida, sedutora e cheia de peripécias. Um livro sobre amizade, amor, mulheres, homens e relações. Uma leitura viciante e perfeita para desanuviar entre leituras mais pesadas. Não resisti e assim que terminei esta leitura comecei imediatamente no segundo livro, "Valéria ao Espelho".

Querem descontrair? Este é o livro certo! Leitura mais que recomendada.

Aquisições - Saída de Emergência


"Desobediência", um livro que já me chegou a casa há alguns dias. O facto de Naomi Alderman ter sido a vencedora do Baileys Women’s Prize de Ficção, espicaçou a curiosidade em relação ao livro. Obrigada às Edições Saída de Emergência pelo envio do livro. 
E vocês leitores, já leram ou têm curiosidade em fazer esta leitura?


Sou dos Anos 80 – Não Tenho Medo de Nada de Joana Emídio Marques - Novidade Guerra e Paz Editores


SOU DOS ANOS 80 – NÃO TENHO MEDO DE NADA
Joana Emídio Marques
15,6x23
152 páginas
15,90 €
Não Ficção / Vida Prática
Nas livrarias a 25 de Outubro
Guerra e Paz Editores

Sinopse
Se viveste nos anos 80, comeste bolachas Maria molhadas no leite, usaste roupa que picava e pijamas de turco, se colavas pastilhas elásticas debaixo da mesa e sobreviveste como um herói, este livro é para ti. Aposto que ainda hoje dizes: «Eu? Eu não tenho medo de nada.» E se não tens medo de nada, então viaja no tempo até à década em que vivíamos eufóricos entre os bonecos da Playmobil e a Tucha, o jogo do elástico e o macaquinho do chinês, em que as mães tinham o poder da palavra e do chinelo, em que roíamos as tampas das canetas Bic, íamos visitar a família à aldeia nas férias grandes, tínhamos um mealheiro com moedas de 50 centavos e lutávamos meses a fio para ganhar um presente. Aqui não encontras uma enciclopédia de cromos, mas uma viagem pelas experiências, sonhos, transgressões que moravam em cada objecto, em cada série de desenhos animados, em cada jogo e que fizeram de nós não coleccionadores de coisas, mas detentores de uma sabedoria que é urgente recordar e partilhar.

Joana Emídio Marques. Olá, eu sou a Joana, em 1984 tinha dez anos, portanto é só fazer as contas. Não eras bom a Matemática? Eu também não. Era a trapezista lá do bairro, em Vila Nova de Santo André, onde cresci. Trepava muros, telhados, árvores e queria ser sempre a primeira quando farejava «aventuras». Levei sovas da minha mãe, mas não adiantou nada. Faço parte de uma longa trupe de mulheres agitadas. Só os livros, os desenhos animados, o TV Rural, o Cosmos, as telenovelas me punham quieta. Bonecas, só gostava da Tucha. Do futuro, só queria poder usar batom e viajar num Barco do Amor ou dançar como o Leroy do Fame. Tinha 15 anos quando caiu o muro de Berlim, já lia o Blitz e avisei que queria ser jornalista. Mas aos 18 já o mundo era demasiado confuso para as minhas ilusões. Licenciei-me em Ciências da Educação. Dei aulas no 1.o Ciclo durante 10 anos. Fiz um mestrado em Ciências da Comunicação, trabalho como jornalista desde 2009, primeiro no Diário de Notícias e Notícias Magazine e agora no Observador. Tenho saudades de ser trapezista.

Da Gaveta de Isabel Tallysha-Soares - Novidade Coolbooks


Título: Da Gaveta
Autor: Isabel Tallysha-Soares
Formato: e-wook / capa mole
N.o páginas: 192
PVP: 4,99€ / 13,30€

Sinopse
Onde os nomes não interessam, a geografia é um estado mental e a mãe vive numa gaveta, ela parte para parte incerta apenas para obedecer à voz que a chama sem que saiba para onde. Na bagagem leva a chave do gavetão que a aguarda quando o fim chegar. Conhece-o a ele, que talvez seja quem a chame desde sempre, num país de vivos que cultivam mortos. Desce às profundezas da terra procurando-se a s própria. Resgata-se e quando deixa de pensar na chave do gavetão na gaveta onde a sua soberba mãe habita, descobre, por fim, quem a chama.
Da Gaveta é um romance sobre procuras e encontros, uma viagem pessoal em busca da identidade própria e uma reflexão sobre dicotomias inultrapassáveis: passado e presente, Oriente e Ocidente, vida e morte. Quando as regras são quebradas e a liberdade é a meta suprema, não precisamos de nomes nem de pontos cardeais para chegarmos ao que interessa, a verdade de nós. E a verdade é tão fácil...

Isabel Tallysha-Soares não nasceu nesta língua. Aprendeu-a às pressas em velhos volumes da Nau Catrineta tomados de tempo e guardados num armário livreiro com vidraças forradas a carmesim. Decorou Pessoa e leu Eça na obrigação da aprendizagem de uma língua estranha e circunvolutória. Fez-lhe as pazes no Ramalho de John Bull percebendo, por fim, que esta é uma língua de sol e Meridião, que tanto escreve o tudo como o Nada, o Nada que, publicado, lhe deu ânimo para tirar outras coisas Da Gaveta.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

[A minha Opinião] Café Amargo


Irei sempre recordar-me do cheirinho a café, que acompanhava o livro assim que abri o envelope. A promessa de uma grande leitura já estava no ar. 

A minha viagem inicia-se nos finais do século XIX e sou transportada através de duas Guerras Mundiais. São bem retratados os tempos conturbados e cheios de mudanças políticas e sociais na vida siciliana.

Tenho sempre um gosto especial na leitura, quando a personagem principal é uma mulher forte, corajosa, que nunca baixa os braços. Maria Marra é essa personagem. Uma mulher que aprende cedo a ser forte, corajosa, resiliente, lutadora. Uma mulher que se sacrifica pelo amor à família mas que não deixa de olhar o futuro com esperança. Uma mulher que está muito à frente no seu tempo, e, que por isso mesmo, é muitas vezes incompreendida.

A história de vida de Maria está entrelaçada com a história de vida de Giosuè. Este personagem assume grande importância durante a narrativa e é incrível o seu crescimento ao longo da história. É um rapaz que se torna um homem respeitado, culto, de sucesso e com poder nas mais altas chefias do exército. Honra assim a memória do seu pai que morreu a lutar pelo seu país. 

Maria e Giosuè, duas personagens que me apaixonaram pelas suas personalidades fortes, pelo amor que nutrem um pelo outro, pelos sacrifícios que tiveram de passar, pela coragem que demonstraram em tempos de guerra e por me fazerem acreditar que nunca é tarde para nada. 

As dificuldades da leitura são as inúmeras personagens presentes na história, que muitas vezes me confundiram. Muitos são os familiares dos Marra e dos Sala nesta história. Ao final de alguns capítulos vai tornando-se mais fácil a orientação.

Para mim é um romance que ganha pelo retrato histórico, social e cultural que narra. Ganha pela ousadia e coragem da personagem principal, Maria. Ganha pela grande história de amor. Ganha pela escrita cativante de Simonetta Agnello Hornby. E sairá sempre vencedor quem é capaz de beber um café amargo. 

Uma leitura que gostei de fazer e que por isso a recomendo a todos vós. 

Boas leituras!

[A minha Opinião] Nos Braços do Vagabundo


Este é o primeiro livro que leio da autora. Leitura que fui desafiada a fazer pela própria autora, Letícia Brito. Outro desafio foi ler em formato ebook, que acabou por correr bem. O livro é pequenino e a leitura até se fez muito bem no tablet. 

Falando agora do livro e da sua temática. Escrever sobre depressão é sempre um tema complicado, que requer muita pesquisa e sensibilidade no trato, para que o tema não se torne demasiado pesado para leitura. Há sempre riscos.

Sofia, a personagem principal deste romance, é uma jovem com muitos sonhos, que devido a um desgosto de amor, cai num estado depressivo fulminante. Achei que a autora conseguiu retratar esse estado depressivo mas pecou por excesso. O início da leitura torna-se muito pesado pelo negro da personagem principal e pela repetição de estados depressivos. 

Surgem mais dois personagens com grande importância na história, Francisco, o grande amor e causador da dor e tristeza de Sofia, e Dinis, um colega de trabalho, que surge como um possível salvador de Sofia. Na minha opinião faltou mais consistência às personagens, principalmente à de Dinis, que da mesma forma repentina que aparece no romance, também repentinamente desaparece da história, para que seja dado um final feliz à personagem principal. 

Há um esforço notório de respeitar e tratar bem o tema da depressão, e, de enaltecer o amor, que tudo vence e tudo suporta. A personagem principal está bem pensada e ganharia mais força se fosse mais explorado o passado da mesma, as suas relações familiares e de amizade. Aos personagens secundários falta profundidade. Felicito a autora pela coragem em escrever sobre um tema tão complexo, pela sua escrita e pela história construída. Com algumas alterações narrativas e uma maior consistência, o resultado seria um melhor romance.   

Boas leituras! 

A ler


Saiba mais sobre o livro aqui.

Elza, minha luz de Almerinda Romeira e Edite Esteves - Novidade Cultura Editora



Género: Não-ficção | Histórias de Vida
Formato: 15*23cm
Nr. Págs: 176
ISBN: 978-989-99563-3-9
PVP: 15,50€ 

Sinopse
Elza, Minha Luz é o relato de uma história verídica, passada no Sul de Portugal, e escrita a quatro mãos por duas jornalistas algarvias.
Cumpre-se, desta forma, um pedido feito por Elza, a figura central deste livro: alertar o mundo para todos os pequenos e grandes sinais do corpo, especialmente quando se trata de cancro. Mas Elza, no seu diário, deixou ainda notas sobre a forma como lidar com a doença em família, o que fazer, como falar com os filhos.
Esse diário inspirador e comovente de uma jovem mãe alegre e cheia de luz, que morreu aos 39 anos vítima de um cancro fulminante, é a principal fonte deste tributo, que conta ainda com testemunhos da família, amigos e especialistas da doença. Um livro tão pessoal como informativo, tão emocional como esclarecedor, que nos alerta, nos conforta e nos faz celebrar a vida.

Sobre as autoras
Almerinda Romeira. Nasceu em São Bartolomeu do Sul, concelho de Castro Marim, em 1959 e formou-se em Comunicação Social no ISCSP. Jornalista desde 1988, atualmente no Jornal Económico, com presença regular no Jornal do Algarve, pertenceu aos quadros de A Capital, O Independente, Fortunas & Negócios e OJE, tendo editado ainda o 1o. Emprego, do Correio da Manhã. Prémio Inatel de Jornalismo em 1999, é autora de Portugal Entre Gerações e integra a colectânea 50 Histórias de Quem Foi Criança, com o conto A Estrela do Avô.

Edite Esteves. Jornalista e escritora, nasceu em Faro, há 72 anos. Com formação em Filologia Germânica na Faculdade de Letras de Lisboa, exerceu jornalismo durante 33 anos no jornal A Capital, onde foi chefe de redacção-adjunta, redactora-principal, grande repórter, editora, colunista e cronista. Foi formadora no Cenjor – Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas. Autora do livro Irene – É Possível Renascer, colaborou na antologia de poesia e prosa Nas Margens da Solidão, em prol da SOS Voz Amiga. É editora e jornalista da revista Autores, da Sociedade Portuguesa de Autores.

Quase a chegar às livrarias - O Último dos Nossos


Disponível a 25 de Outubro

Sinopse
Do inferno da Europa, em 1945, à Nova Iorque hippie. Neste romance premiado, Adélaïde de Clermont-Tonnerre conta a história dos anos loucos vividos na pele por dois genuínos filhos do século XX: Werner Zilch, nascido na Alemanha no estertor da Segunda Guerra Mundial, e Rebecca Lynch, herdeira de um homem de negócios e de uma mulher que logrou escapar com vida ao campo de concentração de Auschwitz. Uma paixão louca e proibida num cenário histórico repleto de reviravoltas e marcado pelo suspense.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

A Rapariga que Salvou o Natal de Matt Haig - Novidade Booksmile


AUTOR Matt Haig
COLEÇÃO Fora de Coleção 9+
ISBN 9789897075469
PVP 13,99 € 
1ª EDIÇÃO outubro de 2017
EDIÇÃO ATUAL 1.ª
PÁGINAS 320
IDADE 9+

Sinopse
Só é preciso coragem e uma pitada de magia para salvar o Natal!
A véspera de Natal chegou, mas algo não está bem! O mundo deixou de acreditar em magia e o Natal pode mesmo acabar. O Pai Natal vai tentar fazer tudo para o salvar, mas sabe que nunca conseguirá fazê-lo sem a ajuda de uma rapariga muito especial: a Amélia. Só que ela desapareceu! Com a ajuda de alguns elfos, de oito renas, da rainha de Inglaterra e de um misterioso homem chamado Charles Dickens, a jornada para resgatar a Amélia começa: é preciso encontrá-la, ou o Natal poderá perder-se para sempre! Através de  ilustrações ao longo de todo o livro, contém uma mensagem inspiradora para os mais novos: acreditar que tudo é possível!

Matt Haig escreveu o seu primeiro livro em 2004 e, desde então, nunca mais parou.
Autor bestseller, recebeu o Blue Peter Book Award, o Smarties Book Prize e integrou por três vezes a shortlist do Carnegie Medal.

«Um livro doce e simplesmente maravilhoso!» - The Guardian

Mea Culpa de Carla Pais - Novidade Porto Editora


Título: Mea Culpa
Autor: Carla Pais
Págs.: 208
PVP: 16,60€
Disponível a 23 de Outubro

Sinopse 
Amadeu Jesus é um homem a quem Deus roubou a fé, um corvo definhado que perdeu o norte do ninho. Briosa tem olhos grandes de silêncio e fome de mundo, e um irmão-menino que não sabe falar. Cândida Jesus pariu um assassino e por isso se fez puta.
Em dia de Nossa Senhora de Fátima, um inocente sai do inferno onde passou dez anos e uma menina de corpo feito pestaneja mais do que os olhos ao desejo.
Do lado errado da aldeia dividida a meio pelo fio de água da nascente, um novo amor nasce como as papoilas do cemitério. E os dois, sem mais mundo, planeiam atravessar os vales e as montanhas com os pássaros, para saber como é a liberdade por lá. Ao seu lado vai o cão.

Carla Pais nasceu em Leiria, em 1979. Abandonou a escola aos dezassete anos para ser mãe, terminando mais tarde o 12.o ano à noite. Em 2012 decidiu instalar-se de armas e bagagens em França, onde fez limpezas, embalou salmão e tomou conta de crianças. Hoje é empregada de escritório num Centro de Formação à Distância.
Em 2015 venceu o Prémio Literário Horácio Bento Gouveia com o conto «A Alma do Diabo». No mesmo ano obteve também o terceiro lugar no concurso de poesia Agostinho Gomes com o poema «Assimetria dos Lábios». Em 2016 o seu conto «O búzio do meu pai» foi selecionado para integrar a antologia de contos A Infância, promovida pelo Centro de Estudos Mário Cláudio.
Em 2017 a sua obra A Instrumentação do Fogo arrecadou o Prémio de Poesia Francisco Rodrigues Lobo. Indigitado para o Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís de 2016, o presente romance, Mea Culpa, acabou por não o obter, dado que a autora tinha publicado anteriormente uma outra obra de carácter ficcional, o que o regulamento não permitia.

Ser Feliz no Alasca de Rafael Santandreu - Novidade Pergaminho


Data de lançamento: 13 de outubro de 2017
Editor: Pergaminho 
ISBN: 978-989- 687-436-0
Páginas: 264
PVP: 16,60€

Sinopse
«Em que nos tornaremos depois de aplicar o que é apresentado neste livro? Nada mais nada menos que em pessoas especiais: extremamente fortes e saudáveis. Atualmente, devido às neuroses existentes, apenas 20 por cento das pessoas o são. Se trabalharmos conscientemente estes conteúdos, poderemos chegar a ser indivíduos muito centrados no presente. Em certa ocasião, ouvi dizer a seguinte frase: "Um bom monge é aquele que faz poucas coisas, mas as poucas que faz, fá-las muito bem." Quando alcançarmos a boa forma mental, o dia fluirá naturalmente, de satisfação em satisfação. Porque em toda a parte encontraremos oportunidades de fazer algo de belo e o "doce presente" será o nosso lar, independentemente dos estados mentais. Quando somos vulneráveis, fazemos a distinção entre "estar bem" e "sentir-se em baixo", porque vivemos as emoções negativas de uma forma extrema. 
Contudo, as pessoas mais saudáveis vivenciam os momentos negativos de forma muito suave, inclusivamente sabem até desfrutar também da ligeira tristeza ou do nervosismo. Na verdade, são muito estáveis e sabem observar a realidade com olhar de poeta. Com a terapia cognitiva ativamos o nosso olhar para a beleza, por isso poderemos concentrar-nos muito mais e melhor nas coisas belas que nos rodeiam: as caras bonitas, as enormes árvores das nossas cidades... 
Poucas coisas existem que transmitam maior plenitude do que apreciar intensamente os pequenos prazeres da vida e agradecer o facto de estarmos vivos. Isso acontecerá de forma continuada e espontânea.»

Rafael Santandreu é psicólogo, com consultório em Barcelona. Depois de ter lecionado na Universidade Ramon Llull, teve a oportunidade de estudar e trabalhar com o célebre terapeuta Giorgio Nardone, em Itália. Atualmente dedica-se, para além da prática clínica, à formação de médicos e psicólogos.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Passatempo Exclusivo Facebook


Passatempo em vigor até 23 de Outubro.
Participe aqui.
Boa sorte!

A Sombra da Noite de Robert Bryndza - Novidade Alma dos Livros


Edição/reimpressão: 2017
Páginas: 352 
Editor: Alma dos Livros
ISBN: 9789899993365
PVP: 17,45€

Sinopse
Numa noite quente de verão, a inspetora-chefe Erika Foster é chamada à cena de um crime. A vítima, um médico, é encontrada asfixiada na cama. Tem os pulsos amarrados e os olhos parecem querer saltar-lhe das órbitas através do saco de plástico transparente que lhe cobre a cabeça e o sufocou. Alguns dias mais tarde, outra vítima é encontrada exatamente nas mesmas circunstâncias. À medida que Erika e a sua equipa intensificam as investigações deparam-se com um assassino em série inteligente e calculista - que persegue e sabe tudo sobre as vítimas antes de escolher o momento certo para atacar. 
As vítimas são homens solteiros, com uma vida muito reservada e um passado envolto em segredo. Porém, podem não ser as únicas pessoas a ser observadas... Erika começa a receber mensagens enigmáticas e a sua própria vida corre perigo. Ela tudo fará para desvendar o mistério que rodeia estes crimes, ainda que isso signifique arriscar a sua carreira na polícia. Imperdível!

Robert Bryndza é autor, entre outros, do bestseller internacional A Rapariga no Gelo, n.º 1 na Amazon, no USA Today e no The Wall Street Journal. Os seus livros venderam cerca de dois milhões de exemplares e foram, até ao momento, traduzidos em 26 idiomas.

sábado, 14 de outubro de 2017

Quase a chegar às livrarias - A Conspiração do Rei


Disponível a 18 de Outubro

Sinopse
Quando em 13 de outubro de 1307, a conspiração urdida por Filipe o Belo tem por fim condenar à morte a poderosa ordem dos Templári­os, um pequeno punhado de cavaleiros sobreviventes une-se no sentido de salvar da cobiça os tesouros mais valiosos, ao mesmo tempo que em Portugal, D. Dinis congemina um inteligente plano com vista a salvar dentro de fronteiras a gloriosa ordem de cavaleiros-monges. Ao vesti-la de uma nova roupagem consolida os alicerces daquela que viria a ser uma interveniente decisiva nos descobrimentos portugueses: A Ordem de Cristo. O TESOURO SECRETO DOS TEMPLÁRIOS UM ARQUEÓLOGO APAIXONADO POR MISTÉRIOS Sete séculos depois, de que modo podem projetar-se nos nossos dias as consequências de tal congeminação? Acaso é possível achar ainda o tão precioso tesouro atribuído aos Templários? Quem são e que importância têm na salvaguarda deste e de outros segredos os chamados Guardiões? 
Isso mesmo é o que tentará descobrir Júlio Pomar, um jovem arqueólo­go, apaixonado desde cedo pela história dos cavaleiros monges, arrastado para uma intriga de contornos perigosos, que se inicia em Castro Marim - primeira sede da Ordem de Cristo - passa por Castelo Branco e termi­na em Tomar, sede inicial dos Templários, e por fim adotada como casa dos Cavaleiros de Cristo. Uma intriga com sete séculos, que o comum dos mortais julgaria há muito finalizada, mas que afinal parece não ter fim à vista.

A ler


Eu ando perdida pelas páginas do diário gráfico de O Diário de Anne Frank. Tenho a dizer-vos que Ari Folman (adaptação do guião gráfico) e David Polonsky (ilustração), fizeram um brilhante trabalho.
E vocês leitores, o que andam a ler?

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas - Novidade Guerra e Paz


OS TRÊS MOSQUETEIROS
Alexandre Dumas
Adaptação de Elizabete Agostinho
14x20,5
144 páginas
13,90 €
Nas livrarias a 18 de Outubro
Guerra e Paz Editores

Sinopse
Athos, Porthos e Aramis são os três valentes mosqueteiros ao serviço do rei francês Luís XIII, heróis deste fantástico livro, recheado de aventuras, espadas e intrigas. Mas a personagem principal é D’Artagnan, um jovem com muitos sonhos – tal como tu – que partiu para Paris porque queria ser... mosqueteiro, claro! No século XVII, pertencer à companhia do senhor de Tréville, capitão dos mosqueteiros d’el-rei, era uma honra, só ao alcance dos mais bravos e corajosos.
E quem não quer defender também a rainha, Ana de Áustria, infanta de Espanha e Portugal? Dizem que ela se apaixonou pelo duque de Buckingham. Se o rei descobre, haverá guerra pela certa! Há também um enigmático homem com uma cicatriz na testa. Estará ao serviço de quem? E parece que o cardeal de Richelieu anda a tramar alguma...
Prepara a tua espada e junta-te a estes destemidos amigos na luta pelo bem, escapa aos inimigos
e defende as donzelas em apuros. TODOS POR UM E UM POR TODOS!

Orlando e o Rinoceronte de Alexandra Lucas Coelho - Novidade Alfaguara Infantil e Juvenil


Orlando e o Rinoceronte 
De Alexandra Lucas Coelho
Alfaguara Infantil e Juvenil
ISBN 978-989-665-329-3
120 páginas
PVP c/IVA 14,90€

Sinopse
O protagonista tem oito anos, uma carapinha ruiva e não consegue dizer os “éles”. É bom a jogar à bola mas tem medo de desenhar. Tudo começa quando recebe uma carta com um rinoceronte lá dentro. Juntos vão viajar pelo tempo e pelo espaço.
Nesta primeira aventura conhecemos também os pais de Orlando, que estão separados, Cláudia, que passa a vida a persegui-lo, e o seu amigo Tobias, que nunca jogou à bola.

Sobre a autora
Com o seu primeiro romance, Alexandra Lucas Coelho recebeu o Grande Prémio de Romance e Novela 2012 APE (Associação Portuguesa de Escritores). O segundo romance, O Meu Amante de Domingo (2014), foi traduzido em França. No fim de 2016, saiu Deus-dará, romance passado no Rio de Janeiro. A autora publicou ainda cinco livros de reportagem-crónica-viagem: Oriente Próximo, Caderno Afegão, Viva México, Tahrir e Vai, Brasil. Os quatro últimos estão publicados no Brasil, tal como E a Noite Roda.
Antes de se estrear na literatura, Alexandra Lucas Coelho cobriu várias zonas de conflito como repórter de rádio e imprensa. Foi correspondente em Jerusalém e no Rio de Janeiro do “Público”, jornal onde trabalhou por 20 anos. Foram-lhe atribuídos vários prémios de jornalismo, incluindo o Grande Prémio Gazeta 2005. Orlando e o Rinoceronte é a sua estreia na literatura infanto-juvenil, onde também se aventura como ilustradora.

O livro será apresentado no Teatro Nacional D. Maria II, no dia 14 de Outubro,  às 15h30.

O Urso e o Piano de David Litchfield - Novidade Booksmile


O Urso e o Piano | 40 pp | 13,99€

Sinopse
Um dia, um ursinho encontra na floresta uma coisa estranha… É grande, parece uma caixa e tem teclas que fazem PLONC! A partir do momento em que descobre que a coisa estranha produz sons magníficos, ele embarca numa viagem que o leva para longe de casa. Num​ ​piscar de olhos, o urso vai parar a uma terra nova e maravilhosa, onde o ar está repleto de belos sons e onde a fama lhe abre os braços. No entanto, apesar do sucesso alcançado, ele sente falta do que deixou para trás...

David Litchfield é um aclamado autor e ilustrador de livros infantojuvenis. O seu estilo destaca-se pela envolvência dos cenários e o uso de diversas técnicas tradicionais combinadas​ ​com ferramentas digitais. Este seu primeiro livro foi publicado em 12 línguas, com grande​ a​plauso da crítica à escala global, e venceu o Prémio Waterstones para Melhor Livro Ilustrado.


Críticas
« Um dos mais distintos e originais livros ilustrados de estreia.» - Bookseller

«Um livro estrondoso!» - Kirkus Reviews

«Um livro que me fez suspirar e chorar. Foi um livro que fotografei para ter no meu telefone e ver quando estou longe da estante de livros.» - Design Of the Picture Book

«As ilustrações completamente deslumbrantes de David são de cortar a respiração. O Urso e o Piano está escrito com ternura e ilustrado com amor.» – Booksniffer

«As cores ricas e o uso maravilhoso da luz para destacar as imagens são simplesmente fabulosas e fazem deste livro um hino!​» - The Book Bag

«O Urso e o Piano tem tanto de coração, honestidade e estilo que merece ser lido por todos: velhos e jovens (de preferência ​ juntos).» -​ Oxford Brookes

«Acredito que este seja o livro ilustrado mais belo que vi nos últimos anos.» - Book Monsters

«As imagens de Litchfield são multidimensionais e texturizadas, elas mostram uma grande quantidade de profundidade e ​proporcionam um contraste impressionante entre o selvagem e a cidade.» - Treasures of Picture Books 

Biblioteca Perfeita


Imagem retirada aqui

Dia Mundial do Escritor


Sem eles, não haveria livros, nem viagens sem sair do lugar. 
Um gigante obrigada. 
Fazem-me viver várias vidas numa única. 

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Pergunta aos leitores


Costumam planear as vossas leituras ou lêem conforme o que vos vai apetecendo no momento?
Acham que planear leituras ajuda a ler mais? 
Partilhem comigo as vossas opiniões.
Boas leituras!

História Breve da Lua de António Gedeão - Novidade Porto Editora


ISBN: 978-972-0-71797-9
Edição/reimpressão: 09-2017
Editor: Porto Editora
Coleção: Reino das Letras
Dimensões: 198 x 247 x 15 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 64 
PVP: 13,30€

Sinopse
Vou contar-vos uma história
que espero que vos agrade.

Diz essa história que outrora
a superfície da Lua
não era como é agora…

Descobre a história (breve) da Lua, nesta divertida peça escrita em verso, com um toque sublime de imaginação.

António Gedeão
Rómulo Vasco da Gama Carvalho nasceu em Lisboa em 1906 e faleceu na mesma cidade, em 1997.
Poeta, autor dramático, cientista e historiador, formado em Ciências Físico-Químicas pela Universidade do Porto. Com o seu nome próprio, Rómulo de Carvalho é autor de numerosos volumes de divulgação da cultura científica, publicados, nos anos 50 e 60, na colecção "Ciência para gente nova", da Atlântida nos anos 70, nos "Cadernos de iniciação científica", da Sá da Costa, a que seguiriam nas décadas posteriores vários manuais escolares. Ainda neste domínio, desenvolveu trabalhos de investigação sobre a história da ciência em Portugal. Como poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão, é contemporâneo da geração de "Presença", mas só se revelou na segunda metade do século, sendo saudado, no momento da sua revelação, por David Mourão-Ferreira como uma voz "inteiramente nova" no panorama poético dos anos 50 (cf. Vinte Poetas Contemporâneos , 2.a ed., Lisboa, Ática, 1980, pp. 149-153). Para essa originalidade concorriam, entre outros traços, a incorporação das tradições do primeiro e segundo modernismos, a opção por um estilo rigorosamente cadenciado e ritmado, a expressão da inquietação e angústia colectivas do Homem do pós-guerra ou o recurso frequente a uma terminologia ou imagística provenientes do domínio científico. Jorge de Sena (cf. estudo introdutório à segunda edição de Poesias Completas , Lisboa, Portugália, 1968) e Fernando J. B. Martinho (cf. Tendências Dominantes da Poesia Portuguesa da Década de 50 , Lisboa, Colibri, 1996, pp. 428-433) assinalam na poesia de António Gedeão a recorrência de dispositivos retóricos que permitem considerar no âmbito de um neobarroquismo a poesia do autor de Movimento Perpétuo. 
Vários dos seus poemas foram também divulgados através da música, como, por exemplo, Calçada de Carriche, Fala do Homem Nascido, Lágrima de Preta e Pedra Filosofal , tendo este último, composto e cantado por Manuel Freire, obtido um sucesso invulgar.

O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago - Novidade Porto Editora


ISBN: 978-972-0-71778-8
Edição/reimpressão: 09-2017
Editor: Porto Editora
Coleção: Reino das Letras
Dimensões: 198 x 247 x 15 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 64
PVP: 13,30€

Sinopse
Um homem foi bater à porta do rei e disse-lhe, Dá-me um barco.
Situada num tempo e num espaço indeterminados, a história do homem que queria um barco para ir à procura da ilha desconhecida promete ser a história de todos os homens que lutam contra as convenções em busca dos seus sonhos e de si próprios.
A Coleção Reino das Letras nasce da vontade de aliar a magia das melhores histórias de todos os tempos à leitura sempre renovada que delas podemos fazer. No Reino das Letras, o rei chama-se Sonho e a rainha Imaginação.

José Saramago – Prémio Nobel de Literatura, 1998
Autor de mais de 40 títulos, José Saramago nasceu em 1922, na aldeia de Azinhaga.
As noites passadas na biblioteca pública do Palácio Galveias, em Lisboa, foram fundamentais para a sua formação. «E foi aí, sem ajudas nem conselhos, apenas guiado pela curiosidade e pela vontade de aprender, que o meu gosto pela leitura se desenvolveu e apurou.»
Em 1947 publicou o seu primeiro livro que intitulou A Viúva, mas que, por razões editoriais, viria a sair com o título de Terra do Pecado. Seis anos depois, em 1953, terminaria o romance Claraboia, publicado apenas após a sua morte.
No final dos anos 50 tornou-se responsável pela produção na Editorial Estúdios Cor, função que conjugaria com a de tradutor, a partir de 1955, e de crítico literário.
Regressa à escrita em 1966 com Os Poemas Possíveis.
Em 1971 assumiu funções de editorialista no Diário de Lisboa e em abril de 1975 é nomeado diretor-adjunto do Diário de Notícias.
No princípio de 1976 instala-se no Lavre para documentar o seu projeto de escrever sobre os camponeses sem terra. Assim nasceu o romance Levantado do Chão e o modo de narrar que caracteriza a sua ficção novelesca. Até 2010, ano da sua morte, a 18 de junho, em Lanzarote, José Saramago construiu uma obra incontornável na literatura portuguesa e universal, com títulos que vão de Memorial do Convento a Caim, passando por O Ano da Morte de Ricardo Reis, O Evangelho segundo Jesus Cristo, Ensaio sobre a Cegueira, Todos os Nomes ou A Viagem do Elefante, obras traduzidas em todo o mundo.
No ano de 2007 foi criada em Lisboa uma Fundação com o seu nome, que trabalha pela difusão da literatura, pela defesa dos direitos humanos e do meio ambiente, tomando como documento orientador a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Desde 2012 a Fundação José Saramago tem a sua sede na Casa dos Bicos, em Lisboa.
José Saramago recebeu o Prémio Camões em 1995 e o Prémio Nobel de Literatura em 1998.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

A Única Filha de Anna Snoekstra - Novidade Topseller


A Única Filha | 272 pp. | 16,59€

Sinopse
2003. Uma adolescente desaparece.
Rebecca Winter é uma rapariga de 16 anos que desfruta tranquilamente as suas férias de verão quando coisas estranhas começam a acontecer ao seu redor: encontra sangue na cama, apercebe-se de um vulto no quarto e sente-se constantemente observada.
Um dia, Rebecca desaparece sem deixar rasto.
Onze anos depois, alguém assume a sua vida.
Em 2014, para evitar ser presa, uma mulher muito parecida com Rebecca faz-se passar por ela, conseguindo convencer toda a gente.
Retoma, assim, a vida de Rebecca, mas rapidamente se apercebe de que a família e os amigos da rapariga desaparecida não são quem parecem ser. E torna-se óbvio para ela que a pessoa responsável pelo desaparecimento de Rebecca ainda está à solta e que a sua vida corre perigo.
Conseguirá a impostora descobrir a verdade por detrás do passado de Rebecca e fugir ao mesmo trágico destino?

Anna Snoekstra nasceu em Camberra, na Austrália, em 1988. Estudou Escrita Criativa e Cinema na Universidade de Melbourne, frequentando posteriormente o curso de Guionismo no Instituto Real de Tecnologia de Melbourne.
Após concluir o ensino superior, Anna Snoekstra começou a escrever guiões para filmes independentes e para peças de teatro, tendo escrito também uma série de contos que foram publicados e premiados.

Estou aqui de Clélie Avit - Novidade Topseller


Estou Aqui | 240 pp. | 16,59€

Sinopse
O amor não dorme, o amor não morre.
O amor salva.
Um inesperado acidente numa estância de esqui atira a jovem e bela Elsa para uma cama de hospital. Em coma desde o primeiro momento, parece óbvio para os  familiares e para os médicos de que o futuro de Elsa é sombrio.
Thibault é obrigado pela sua mãe a visitar o irmão, que se encontra no mesmo hospital de Elsa. Recusando a vê-lo, por este ter atropelado duas adolescentes, Thibault acaba por se refugiar no quarto de Elsa e criar uma relação que tem tanto de estranha quanto de inesperada.
A ligação entre eles intensifica-se, e, mesmo que o resto do mundo não a compreenda, ambos comunicam e apaixonam-se. Um dia os médicos são obrigados a tomar uma decisão drástica sobre o futuro de Elsa, e agora que Thibault encontrou o amor, corre o risco de o perder.

Clélie Avit nasceu em 1986, em França, e é professora de Físico-química. Em 2015, recebeu o Prémio Primeiro Romance com Estou Aqui. Este livro é um sucesso de vendas internacional, tendo sido editado em mais de 25 países.

Críticas
«Estou Aqui é um romance que acumula tensão num cenário claustrofóbico. A hábil escrita e as personagens bem desenvolvidas de Clélie Avit auguram-lhe um futuro promissor.» — Bookpage

«Uma comovente história de amor. Estou Aqui mostra como a firmeza do amor supera todas as adversidades.» ― Sarah Pekkanen

«Magnífico! Com personagens carismáticas, uma premissa única e um tom original, o primeiro romance de Clélie Avit fará com que não consiga parar de virar as páginas.» ―  Julie Lawson Timmer

O Bibliotecário de Paris de Mark Pryor - Novidade Clube do Autor


Edição/reimpressão: 2017
Páginas: 328 
Editor: Clube do Autor 
ISBN: 9789897243912
PVP: 17,50€

Sinopse
A morte de um oficial nazi durante a ocupação de Paris pode ser a chave para resolver um mistério do presente.
O diretor da Biblioteca Americana em Paris é encontrado morto numa sala trancada. A polícia conclui que o homem morreu de causas naturais, porém o responsável pela segurança da Embaixada dos EUA tem a certeza de que algo errado se passou. A sua investigação leva-o até à cena do crime cometido durante a Segunda Guerra e as suas descobertas vão surpreender tudo e todos.

Mark Pryor nasceu em 1967, em Inglaterra. Pryor foi jornalista durante alguns anos, e, já nos Estados Unidos, frequentou o curso de jornalismo na universidade da Carolina do Norte, licenciando-se depois em Direito pela universidade Duke. O Livreiro foi o seu primeiro romance, mas Pryor escreve regularmente sobre o mundo do crime e os casos reais que enfrenta no seu dia-a-dia.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Não digas nada de Brad Parks - Novidade Suma de Letras


Edição/reimpressão: 2017
Páginas: 520 
Editor: Suma de Letras 
ISBN: 9789896652975
PVP: 19,90€
Disponível a 18 de Outubro 

Sinopse
Numa quarta-feira como outra qualquer, o juiz Scott Sampson está a preparar-se para ir buscar os filhos gémeos de seis anos para os levar à aula de natação. A sua mulher, Alison, envia-lhe uma mensagem: mudança de planos, ela tem de os levar ao médico. Assim sendo, Scott regressa para casa mais cedo. Mas quando, mais tarde, Alison chega, está sozinha - sem Sam, sem Emma - e nega ter conhecimento da mensagem...
O telefone toca: uma voz anónima diz-lhes que o juiz deve fazer exactamente o que lhe é dito num caso de tráfico de droga que está prestes a ser julgado. Se recusar, as consequências para as crianças serão terríveis.
Para Scott e Alison, a chamada do sequestrador é apenas o começo de uma tentativa tortuosa de chantagem, engano e terror. Não haverá nada que os detenha para recuperarem os seus filhos, não importa o custo...
Um romance intenso que explora o lado mais obscuro do Mal, pondo a nu as fragilidades da natureza humana perante a ameaça da perda mais dolorosa.

Brad Parks foi o único autor a ganhar o Shamus, o Nero, e o Lefty Awards, os três dos prémios mais prestigiantes da ficção de crime. Trabalhou como jornalista para o The Washington Post e The Star-Ledger e vive nem Virgínia com a mulher e dois filhos. Reconhecido autor de series de detetives, o seu primeiro livro que não pertence a nenhuma série, Say Nothnig, está a ser tão aplaudido como os seus sucessos anteriores.

O regresso da primavera de Sveva Casati Modignani - Novidade Porto Editora



Título: O regresso da primavera
Autor: Sveva Casati Modignani
Tradução: Regina Valente
Págs: 400
Capa: mole com badanas
PVP: 17,70 €

Sinopse
Passamos muito tempo a perseguir sonhos que nos escapam da mão, uma felicidade que não se deixa aprisionar. E depois acontece que o melhor da vida se revela num instante, talvez na magia de um encontro inesperado. Como aquele que aconteceu entre Lorenzo e Fiamma, surpreendidos por um amor que nem mesmo eles, provavelmente, acreditavam ser ainda possível.
Lorenzo Perego, um homem fascinante e culto, é professor de Geografia Económica numa escola profissional de Milão. Poderia ter escolhido um estabelecimento de maior prestígio, mas o ensino é a sua paixão e ajudar jovens com talento numa realidade difícil e muitas vezes desoladora é um desafio que o entusiasma e enriquece. Fiamma Morino, com pouco mais de 40 anos, é diretora editorial de uma pequena editora de sucesso que ela própria fundou. Agora que a editora está prestes a sofrer uma drástica mudança de gestão, com que Fiamma não concorda, está disposta a tudo para a defender e continuar a garantir o cuidado e o amor que desde sempre dedica aos seus autores.
Através das vivências de Fiamma e Lorenzo, conhecemos a Itália de hoje, a da crise da Escola e da Economia, mas também aquela que é feita de pessoas empreendedoras, prontas a arregaçar as mangas e decididas a não se renderem.

Sobre a autora
Reconhecida como a grande signora do bestseller italiano, com mais de 11 milhões de exemplares vendidos, Sveva Casati Modignani está traduzida em 17 países e é hoje uma das autoras mais populares em Portugal. No catálogo da Porto Editora figuram já os seus romances Feminino Singular,
Baunilha e Chocolate, O Jogo da Verdade, Desesperadamente Giulia, O Esplendor da Vida, A Siciliana, Mister Gregory, A Viela da Duquesa, Um Dia Naquele Inverno, O Barão, A Família Sogliano, 6 de abril ’96, A Vinha do Anjo e Como vento selvagem. A sua obra autobiográfica, O Diabo e a Gemada também já se encontra publicada no catálogo da Porto Editora.

O Último Beijo da Mamba Verde de Cesário Borga - Novidade Planeta


240 páginas / PVP: 17,55 €
Nas livrarias a partir de 18 de Outubro

Sinopse
Moçambique, região de Tete, 1972.
A cantina de Arnaldo Salima é o local do mato onde todos se encontram: tropas portuguesas do aquartelamento, militares rodesianos em operações ocasionais, brancos de Tomboza, pretos da sanzala de Xangu, prostitutas, agentes da PIDE...
Homem jovem, cordato e tranquilo, Salima está longe de imaginar que aquela noite – programada para uma farra de homenagem aos rodesianos – se irá transformar no primeiro de uma série de acontecimentos que levarão a tempos cruéis marcados pelo lado mais sinistro da guerra.
O Último Beijo da Mamba Verde relata a história de gente simples, que apesar de viver no meio da guerra sonhava ser feliz e, sem saber como, acaba afundada em tragédias.

Cesário Borga inciou a aventura na ficção com O Agente da Catalunha em 2012, seguiu-se Ethel - Amanhã em Lisboa em 2014 e , agora, O Último Beijo da Mamba Verde, história de amor e violência inspirada em muitas memórias (incluindo a do autor) e acontecimentos que só aos poucos se vão conhecendo.
Uma experiência que chega depois de andar enredado durante mais de 40 anos nas histórias do dia-a-dia ,transformadas em notícias e reportagens , numa carreira jornalística que começou na Flama no final dos anos de 1960.

Tudo Isto te Darei de Dolores Redondo - Novidade Planeta


576 páginas / PVP: 21,95 € / Nas livrarias a partir de 18 de Outubro

Sinopse
Uma morte inesperada. Um obscuro segredo familiar.
A busca da verdade no coração de uma terra lendária.
No cenário majestoso da Ribeira Sacra, Álvaro sofre um acidente que o mata. Quando Manuel, o marido, chega à Galiza para identificar o cadáver, descobre que a investigação sobre o caso foi encerrada com muita rapidez.
O repúdio da sua poderosa família, os Muñiz de Dávila, impele-o a fugir, mas retém-no a argumentação contra a impunidade que Nogueira, um guardia civil reformado, esgrime contra a família de Álvaro, nobres escudados nos seus privilégios, e a suspeita de que essa não é a primeira morte no seu ambiente familiar que se encobriu como sendo acidental. Lucas, um sacerdote amigo de infância de Álvaro, alia-se a Manuel e a Nogueira na reconstituição de uma vida secreta de quem julgavam conhecer.
A inesperada amizade destes três homens sem nenhuma afinidade aparente ajuda Manuel a navegar entre o amor por quem foi o seu marido e o tormento de ter vivido de costas viradas para a realidade, blindado por detrás da quimera do seu mundo de escritor.
Terá assim início a busca pela verdade, num lugar de fortes crenças e convicções e enraizados costumes onde a lógica nunca consegue unir todas as pontas soltas.

Sobre a autora
Nasceu em Donostia-San Sebastián em 1969. O fenómeno literário da Trilogia do Baztán, granjeou-lhe o entusiasmo de editores de inúmeros países e hoje são já 30 as editoras que publicaram a obra pelo mundo. Além do respeito dos leitores, foi aclamada pela crítica como uma das propostas mais originais e contundentes do thriller em Espanha. A adaptação cinematográfica de O Guardião Invisível estreou em Março 2017

Critíca
«Joga na perfeição nos seus argumentos com esses segredos de família que tanto agradam aos leitores [...] conhece e usa na perfeição as técnicas mais avançadas de investigação forense, uma ferramenta imprescindível se se quer descrever um bom e credível romance policial.» AR Magazine

«Todas as personagens comovem, incluindo o cão feioso que acompanha Manuel nesta viagem ao passado na Ribeira Sacra.» La Vanguardia

«O desenvolvimento narrativo é ágil e poderoso, cruel por vezes e incisivo no ético. Redondo possui uma habilidade inata para o género policial, que domina e sabe como manobrar.» La Razón

A AUTORA VAI ESTAR EM LISBOA A 18 DE OUTUBRO E NO FOLIO – ÓBIDOS DE 19 A 20 DE OUTUBRO