domingo, 13 de Maio de 2012

O Tempo dos Amores Perfeitos [A minha Opinião]


Este é o segundo livro que leio do escritor Tiago Rebelo. O primeiro que li foi Romance em Amesterdão. (Podem ler a minha opinião aqui.)
Uma narrativa que se passa em finais do século XIX e que nos traça um retrato da já fragilizada monarquia portuguesa e das dificuldades sentidas pelos militares em manter o poder na colónia angolana.
É uma história que se passa no coração de Angola e que nos dá a conhecer Carlos e Leonor, duas personagens pelas quais simpatizamos logo às primeiras páginas.
Gostei particularmente das descrições das belas paisagens angolanas e dos perigos por ela escondidos, dos usos e costumes das suas gentes. Ao ler estas passagens senti que lá estava.
Durante a narrativa, senti dificuldade na leitura de palavras e expressões angolanas, que dizem respeito a nomes de terras, pessoas, tribos e costumes. Outra dificuldade foi na compreensão de estratégias militares e as armas utilizadas para a subjugação das tribos. Apesar destes factores, não senti que impossibilitassem a compreensão da história narrada.
Um aspecto que vale a pena realçar é todo o trabalho de pesquisa feito pelo escritor, para dar ao leitor um retrato fiel de Angola em finais do século XIX.
As personagens apresentadas são credíveis, a linguagem em algumas passagens é quase poética, os capítulos são pequenos o que ajuda no avançar da narrativa.
No global é um livro que vale a pena ler pelos acontecimentos históricos narrados, pelas descrições das bonitas paisagens angolanas, pela bonita história de amor e pelo retrato da sociedade naquela época.
Uma leitura que aconselho a quem gosta da nossa história portuguesa!
Boas leituras

Pungo N'dongo - Pedras Altas

Quedas de Calandula




2 comentários:

  1. Tem graça, eu não consegui passar dos primeiros capítulos, precisamente por não ter simpatizado muito com as personagens, nem gostado do decorrer da narrativa. Talvez seja melhor mais para a frente, mas eu parei.

    ResponderEliminar
  2. Olá Carla! Os livros têm destas coisas. Há uns que nos conquistam logo e há outros que não. Com o avançar da narrativa ainda muito acontece com estas duas personagens.

    ResponderEliminar